Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Wiki

"Bola rebola" demorou a rolar. A música reúne Tropkillaz, Anitta e MC Zaac, parceiros do hit "Vai malandra", além do colombiano J Balvin. Mas a criação e o resultado foram bem diferentes.

A composição partiu de um som insólito do Japão, demorou mais de um ano para terminar e teve muito vai e volta entre a equipe até o quebra-cabeças de vocais em português, inglês e espanhol ser montado.

No fim, é música pop simples e que gruda na cabeça (especialmente o tal som inicial). Mas por trás dela há histórias que ajudam a entender o processo criativo do funk, a dinâmica dos "feats" na música atual e o que se espera do pop brasileiro no mercado mundial.

1. Laudz, metade do duo Tropkillaz, estava "brisando" no estúdio, experimentando sons. Ele achou por acaso o som sintetizado de uma flauta japonesa chamada hichiriki.

2. Achou o som diferente, brincou com ele (sem saber da origem) e criou refrão de funk junto com MC Zaac. Eles viram potencial, buscaram parceiros, mas levaram um ano para terminar.

3. Anitta entrou na empreitada e sugeriu chamar J Balvin. O Tropkillaz teve que montar um quebra-cabeças de vocais trilíngues com a exigente Anitta. Foram 12 versões até a final.

4. A montagem busca um formato pop sem tirar a originalidade do início. Outro desafio foi falar com o possível público brasileiro, hispânico e de outros locais ao mesmo tempo.

1 - Flauta estridente que mexe com a gente

Laudz buscava timbres novos quando achou no teclado uma reprodução do hichiriki, flauta japonesa de origem chinesa, semelhante a um oboé. O hichiriki é um dos instrumentos "sagrados" usados há séculos no gagaku, tipo de música presente em cerimônias xintoístas, como casamentos.

Mas ele não sabia de nada disso. O produtor só procurava a "estranheza", como de costume. "É uma coisa que a gente usa em nossas músicas. Barulhos estranhos", diz. A tal flauta alterada virou de longe a coisa mais marcante no arranjo.

O Tropkillaz busca "sempre um barulho esquisito, que ninguém nunca vai fazer igual, e não timbres prontos", diz o colega Zegon.

O Tropkillaz começou muito ligado ao trap, e tem se aproximado do funk. Essa "brisada" de Laudz é ao mesmo tempo descompromissada e parte do processo criativo de DJs de funk atuais: de brincadeira, acha-se batidas originais para se destacar da concorrência.

A história da flauta que o produtor achou legal - sem saber da origem - lembra a de um dos maiores fenômenos do funk de SP: a "flauta envolvente" de "Bum bum tam tam", de MC Fioti.

Para brincar com o som estridente, Laudz chamou outro astro do funk de SP: MC Zaac.

Lauz e Zaac continuaram "brisando", viajando no som, e gravaram um refrão. Esse trecho apareceu ao show deles do Lollapalooza SP 2018. Eles chegaram a procurar parceiros gringos para gravar a faixa.

Mas dois meses depois, em maio, Anitta ouviu a música e entrou no time da "Bola"…

2 - Uma equipe malandra

O interesse de Anitta pela música levou à reunião de um time que deu certo em "Vai malandra": ela, Tropkillaz e Zaac. Só ficaram de foram o DJ Yuri Martins e o rapper Maejor. No lugar, entrou o astro colombiano do reggaeton J Balvin.

Mas a música não é uma "Vai malandra - parte 2". A diferença vem da origem. A primeira parceria partiu de uma criação inicial de Yuri e Zaac - tanto que a base do funk lembra "Vai embrazando", sucesso da carreira solo do funkeiro.

Já "Bola rebola" tem origem total no Tropkillaz. Mas quem são eles? O duo une o veterano paulista Zegon, 50 anos, que já tocou no Planet Hemp e com Racionais e Sabotage, ao prodígio curitibano André Laudz, 26.

3 - Quebra-cabeças do 'feat'

No final de 2018, os Tropkillaz foram a Nova York encontrar Anitta e gravar os vocais dela. J Balvin registrou sua parte da Colômbia mesmo. Depois, o duo penou para montar tudo em SP.

Anitta mistura versos em português, inglês e espanhol. Zaac e Balvin também misturam as línguas, às vezes na mesma frase.

A estratégia foi não separar as línguas em "blocos", mas misturar tudo desde o início. "Prender a atenção dos latinos, dos brasileiros, de quem fala inglês. Ficar indo e vindo (com cada vocalista), e ter a batida como marca", explica o DJ.

Zegon diz que eles fizeram 12 versões até finalizar. "Cada um queria uma coisa. Saía daqui, ia para Anitta e o pessoal dela, eles falavam outra coisa completamente diferente do que a gente imaginava", lembra Laudz.

"Ela quis mudar muitas vezes. Ela tem um ouvido foda. Percebe rápido qualquer coisa que saiu da música. Saiu um 'ã ã", ela fala: 'Cadê o 'ã ã?'. E eu não percebi", diz Zegon.

Eles mostram um áudio que Anitta mandou pelo WhatsApp durante a produção: "Sinto falta de um respiro do 'taaaaanaaan'", ela reclama, citando o som da flautinha.

"Realmente o bagulho fica na cabeça, mas a bateria ficou tão forte, que ficou dentro da música. E a versão final foi a que todo mundo ficou contente", comemora Zegon.

Ou seja: o final foi bem mais pacífico do que outras discórdias por áudios de WhatsApp vazadas atualmente.

4 - Onde a 'Bola' vai parar?

Dizer que o Tropkillaz faz "pontes entre eletrônica, rap, funk e pop" foi literal aqui. "Bola rebola" também ganhou uma ponte (trecho de uma música que liga os versos ao refrão) com violão e base mais pop - um dos "respiros" da batida principal pedidos por Anitta.

E o equilíbrio não foi só de línguas, mas de expectativas. O Tropkillaz participa de muitos festivais e eventos de música eletrônica no exterior. A presença lá fora era tanta que eles tinham contrato assinado com a Universal na França.

Mas eles querem fincar a bandeira aqui também. Em 2018, articularam troca de contrato para a gravadora no Brasil. O período também foi de preparar muitos lançamentos para 2019: "A gente está com muita música pronta, trabalhou o ano passado inteiro, sem parar", diz Zegon.

Ao mesmo tempo, o Tropkillaz continua ligado no potencial do funk brasileiro no exterior, já que continua a circular pelo mundo - entre esta entrevista e o lançamento, foram tocar em um festival na Índia.

"Quando a gente toca um beat de funk lá fora, todo mundo curte. Então a gente trouxe nosso estilo, nosso peso, nossa forma de cortar os barulhos, e encaixou no funk. Achamos nosso estilo, esse está sendo nosso caminho", diz Zegon.

Some-se a este potencial da música fora do Brasil a performance de J Balvin. "Ele não mandou qualquer coisa. O Balvin faz metáforas e fez versos de um bom rapper". Pode ser um reflexo da aproximação crescente do reggaeton com o trap.

De quebra, os gráficos mostram que quando J Balvin e Anitta se encontram, a audiência sobe. A conferir se a faixa que começou com a "brisada" de Laudz terá o mesmo fim.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls