Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar
Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Wiki

  • Data de lançamento

    1 Janeiro 1994

  • Duração

    14 faixas

The Downward Spiral é o segundo álbum de estúdio da banda Nine Inch Nails lançada em 8 de março de 1994 pela Interscope Records. Foi considerado um dos melhores álbuns da década pouco após seu lançamento, tendo sido incluído na lista de discos essenciais de publicações prestigiadas como a Spin ou a Rolling Stone.

O álbum é levemente conceitual, focado em um personagem que perde as suas crenças neste mundo e, desprovido de valores, entra numa espiral de decadência que acaba em sua morte. Durante o percorrer das faixas, o disco oferece outras metáforas cuja interpretação fica por conta do ouvinte, além de envolver temas como solidão, loucura, descrença religiosa e repulsa social. Muitos deles foram inspirados em discos como The Wall do Pink Floyd e Low do David Bowie.

Durante as turnês da época, Trent Reznor praticamente encarnou o personagem do disco através de performances semi-teatrais e improvisadas, que geralmente envolviam a destruição de instrumentos (principalmente quando estes apresentavam algum defeito) ou mesmo agressão fisíca aos outros integrantes da banda (algumas vezes não-intencionais).

The Downward Spiral tem participações especiais de músicos como Adrian Belew, guitarrista do King Crimson e Stephen Perkins, baterista do Jane's Addiction. Em termos de estrutura, o disco apresenta arranjos diferenciados e técnicas expansivas como o uso de trítonos dissonantes (Hurt), mudanças bruscas de dinâmica (Mr. Self Destruct) e assinaturas de tempo não-convencionais (March of the Pigs). Diversos efeitos foram manipuladas no estúdio para criar timbres originais, além do processamento de faixas de guitarra a ponto de torná-las quase aleatórias. Entre os diversos equipamentos que Reznor utilizou, estão o Pro Tools, o TurboSynth da digidesign, um rack head da Marshall, um sintetizador Prophet VS, e várias guitarras Jackson e Gibson.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Atualize agora

Álbuns parecidos

Atrações em destaque

API Calls