Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar
Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Masterplan é uma banda alemã de heavy metal formada por Uli Kusch e Roland Grapow em meados de 2001.

Em 20 de Janeiro de 2003 a banda lança o álbum oficial, o Masterplan (2003) que ganhou total aceitação da crítica e mídia. Baseado em quatro elementos da natureza (terremoto, inundação, tempestade e chamas) o álbum desfila músicas genuínas, calcadas no Power Metal com melodias mais atmosféricas e progressivas, sem incorporar o já então desgastado Metal Melódico. Este primeiro álbum contou com a participação especial de Michael Kiske, que teve uma música composta especialmente para seu vocal. Os teclados foram divididos nas gravações entre Ex-integrante Janne Wirman e Ferdy Doernberg que toca com (Axel Rudi Pell), as apresentações ficaram a cargo do tecladista Axel Mackenrott. O baterista Uli Kush, anunciou em 25 de abril de 2003 que a banda estava confirmada em vários festivais europeus nos meses de Junho, Julho e Agosto no Sweden Rock/Suécia, Seixal Festival/Portugal, "Wacken Open Air"/Alemanha, Bloodstock Festival/Reino Unido, “EarthShaker Fest” e muitos outros, além de agendar turnês em diversos países. No Brasil, a banda se apresentou ao lado do (Gamma Ray) e que seguiu pela América Latina respectivamente por Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Porto Alegre-RS (Opinião), Curitiba-PR, São Paulo-SP (Via Funchal), Costa Rica, Monterrey com término no México.

No ano seguinte em 24 de Janeiro é apresentado o álbum Aeronautics - 2005. Com referências claras à aviação, já que o vocalista Jørn tem uma paixão pelo assunto. Na verdade este "Voo" não é só expresso pelo conceito do álbum em si, mas o também como tema principal que é bem explorado, mostrando que o Masterplan busca alcançar "Voos" cada vez mais altos. Assim como o primeiro álbum, Aeronautics teve uma recepção muito boa, tanto pela crítica como pelo público. E novamente a banda sai em turnê juntamente com o (Circle II Circle), (Rob Rock) e (PURE INC.) no "Flying Aces Tour". A banda passa o ano de 2005 dedicado para sua turnê em ininterruptos shows pela Europa e em vários festivais. Devido a fatos não confirmados a banda não passou com a turne do "Aeronautics" pelo Brasil. Mesmo sem confirmar nada Grapow alega em entrevistas que eles devem marcar turne para o Brasil, pois quando ele esteve aqui foi apenas em carreira solo e na primeira e única vez na apresentação da turne do álbum Masterplan. Em ambas as vezes abriram para o Gamma Ray e sua pretensão e fazer uma turnê como Headliner.

Em maio de 2006, logo após anunciarem as datas das gravações para o novo álbum que teriam inicio no segundo semestre do mesmo ano, Jørn Lande sai da banda alegando diferenças musicais. Segundo Roland em entrevistas, Jørn estava alegando que o estilo da banda estava muito progressivo e obscuro, o direcionamento, o material de divulgação e promocional estava mal feitos e a tonalidade estava estremamente alta e essa situação o deixava desconfortável quando estava se apresentando ao vivo, além da falta de participação nas composições era também uma dessas alegações para a sua saída. Enquanto Roland e Uli queriam manter o estilo da banda, talvez voltando um pouco para o estilo do primeiro álbum com as raízes calcadas metal tradicional e já ter iniciado esse processo de adequação junto com a banda para o álbum “Aeronautics”, Jørn estava tentando direcionar o estilo da banda para um heavy metal mais tradicional e direto. Após todos esses contratempos, Jørn Lande decidiu que não queria continuar mais na banda, definindo a dar continuidade com sua carreira solo.

A nova formação conta com Mike DiMeo (Ex-Riot) e (The Lizards) e Mike Terrana (Ex-Rage) na bateria. Terrana, amigo de longa data de Grapow, já havia trabalhado com ele anteriormente e sempre o considerou como um dos melhores bateristas da atualidade. Já, Mike Dimeo, havia sido escolhido por Grapow e Uli (Antes de sua saída). Grapow já tinha pensado em outros nomes, como Kelly Carpenter (ex-Outworld, atual Beyond Twilight – na verdade, já deixou o BT também), mas Uli não aceitou a escolha. A decisão estava difícil principamente porque quando tal decisão teve ser tomada por duas pessoas que na época pensavam diferente, o choque de idéias era evidente. Também teve o Patrik Johansson do Astral Doors entre as escolhas, mas ele não estava disponível. Exaustivamente, após os dois ouvirem centenas de CDs e vocalistas, Mike DiMeo foi a escolha para somar a banda. Como não havia material suficiente para o álbum, então foi escrita “Keeps Me Burning”, “Watching the World” e “Warrior’s City”. Quando as músicas estavam sendo compostas, não estavam escritas as linhas melódicas e vocais. Então foi tudo enviado para Mike e ele as escreveu. Sua primeira tentativa não se encaixou muito bem ao novo material e ao estilo da banda, soava como RIOT ainda. A partir daí, iniciou-se um trabalho de adaptação,para ele se entrosar com a banda,e entender seu estilo.

Em 26 de Fevereiro de 2007 é lançado MK II. Andy Sneap que tal como nos dois álbuns anteriores, foi o produtor. Roland Grapow salienta que MK II significa que não é explicação para uma nova era, mas é uma nova situação, neste caso especificamente com os dois novos membros da banda. A priori a situação sem os dois outros ex-membros é nova, mas a música é a mesma. É um pouco semelhante a situação que Deep Purple se encontrou. Quando aconteceu as questões referentes aos vocalistas com Glenn Hughes e David Coverdale também um pouco quando Mark tinha dois anos. Esta foi a ideia principal do tecladista Axel, apenas para fazer comparações simples e diretas com o Deep Purple . A banda estreou nesse momento também o novo logo da banda um "M" disposto em uma rosa-dos-ventos que foi estilizado tanto na capa do álbum da banda quanto em uma guitarra especial criada para Roland Grapow uma VGS Pro Series Eruption-Europe-MP-1. Muita expectativa, ansiedade e medo da crítica eram esperados para este novo álbum, já que iniciava-se uma nova fase com dois novos integrantes e o vocalista Mike Dimeo deveria superar o cargo deixado do ex-vocalista Jorn que iria retomar sua carreira solo. Todos concordavam com alguns pontos em comum, o de que apesar de ser um álbum pesado e da banda ter deixado a autenticidade do primeiro line-up com pitadas de progressivo com heavy metal, que são suas raízes no som, era um bom álbum para os amantes do metal, mas ainda sim, não superava o antigo álbum Aeronautics. Por essas questões diversas perdeu-se o seu estilo tão aclamado no primeiro álbum, contudo todos estavam esperando as apresentações ao vivo para determinar o desempenho de todos e principalmente do novo vocalista. O Masterplan se apresentou ao vivo com a nova formação em 23 de fevereiro, no Break The Barriers Festival em Bremen, Alemanha. Posteriormente em 23 de maio de 2007 inicia-se a turnê do novo álbum MK II com grandes bandas como Blind Guardian na Metal Universe - Black Sun Fest e Saxon conhecida como The Inner Sanctum Tour 2007. Não somente para Roland Grapow, mas todos os fãs estavam um pouco frustrados com a apresentação ao vivo quando em turnê com o SAXON que foram 50 shows na Europa. Mike estava com dificuldades de se alinhar com a banda e ele sentia abatido por não superar estas expectativas dos fãs.

Após 2 anos de espera, dúvidas e incertezas foram desmistificadas em site oficial em 10 de fevereiro de 2010 que o ex-vocalista Jørn Lande estava finalizando as gravações do novo álbum intitulado Time to Be King. As expectativas iniciais dos integrantes da banda eram de que a finalização do lançamento do novo álbum seria em torno do dia 16 de Abril de 2010, ainda para março era esperado o single antecipando o álbum. O processo entre composição e gravação durou cerca de um ano, com vários intervalos, porque havia várias produções no estúdio de Roland que ocupavam todo o seu tempo, dificultando seu foco na banda. Além desse problema, já que as bandas agendadas para o estúdio de Roland já estavam marcadas com mais de 6 meses e não podiam ser desmarcadas as letras das músicas não haviam sido finalizadas por Jorn, então tudo foi adiado. Por este motivo o álbum foi lançado cerca de 4 ou 5 meses depois do prazo estimado, pois toda a gravação foi na Eslováquia e no estúdio de Roland. Em meados de 2 de março de 2010, Roland seguiu em viagem promocional pela Europa durante a semana inteira. Em 11 de março de 2010 segundo AFM Records em site oficial informa que Far from the End of the World é o título do terceiro (EP) da banda alemã e o mesmo anteciparia o novo álbum Time to Be King que estava com previsão de lançamento para 21 de maio de 2010. A confirmação veio através do Zine Austriaco, Storm Bringer, que obteve a informação durante uma temporada de audição da banda em Hamburgo - Alemanha, aonde foram divulgados o adiamento e a nova previsão de lançamento. Em 13 de Abril 2010, é lançado no site oficial todas as datas de lançamento do (EP) e novo (Álbum) da banda. O álbum da banda foi bem recebido pela mídia e crítica e estava ganhando várias posições favoraveis nos principais controles de mídia Europeus, Roland em várias entrevistas se mostrou otimista e estava feliz porque na Alemanha alcançou o Top 20 e na Suécia o estava no Top 15 e eles não estavam posicionados nos charts de Metal, mas nos charts Pop o que aparentemente consideram uma banda de metal é algo incrível. Em 16 de Junho de 2010 segundo o site da gravadora Afm Records afirma que os integrantes da banda seguiriam para Hamburgo na próxima semana para gravar o vídeo clip para a faixa título do álbum. Ainda na mesma entrevista, Roland comenta o ponto crucial do retorno do vocalista original - "(…)'Já que muitas pessoas estavam indo aos shows de sua banda solo (Jorn) e lhe dizendo “(…) você é ótimo mas porque saiu do MASTERPLAN?(…)”. E a mesma coisa acontecia conosco, com os fãs sempre perguntando porque Jorn havia deixado a banda. Olhávamos para nós mesmos e ainda havia muita conversa e entendimento de que poderíamos continuar em nível certo. Porque não cometeríamos os mesmos erros do passado. Tivemos muitos desacordos sobre o direcionamento musical da banda por exemplo.'(…)".' Em 3 de janeiro de 2011 em site oficial a banda pede desculpas pela turne não realizada e solicitam que os mesmos aguardem por boas notícias. Foi anunciada a saída do baixista Jan S. Eckert, do baterista Mike Terrana e do vocalista Jorn Lande, sendo substituídos por Jari Kainulainen (Ex-Stratovarius, Symphonia), Martin Marthus Skaroupka (Cradle Of Filth) e o vocalista Rick Altzi (Ex-At Vance).

Com a entrada de Jari Kainulainen, Martin Marthus Skaroupka e Rick Altzi, os Masterplan entraram novamente em estúdio e o resultado foi o álbum Novum Initium, lançado em 14 de junho de 2013, através da gravadora alemã AFM Records.

Em 2017, Masterplan também lança "PumpKings", um álbum de covers da antiga banda de Roland Grapow e Uli Kusch, o Helloween, com as composições do guitarrista.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

Links externos

API Calls