Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar
Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Uma sereia alienígena no rap: Joy Sales traz novo olhar para o gênero em EP de estreia
MC mostra versatilidade e potência nas faixas do independente B.A.M., com referências que vão de Nina Simone à Liszt.

A partir de suas vivências como mulher negra, periférica e gay, Joy Sales, MC de São Bernardo do Campo, desenvolveu um discurso afiado, carregado de simbolismos e sentimentos, que ela agora divide com o mundo em seu primeiro EP, B.A.M, disponível a partir da sexta-feira (13) nas principais plataformas de streaming.

Joy define B.A.M. (um acrônimo de Black Alien Mermaid) como o "vômito prolixo e poético de uma mulher negra da sociedade atual". Para concretizar as cinco faixas, a MC se uniu ao produtor musical Gama, compositor de trilhas para cinema e publicidade na produtora dope.audio, o que proporcionou ao projeto uma maior densidade, com bases complexas e pesadas.

O resultado é uma convergência entre gêneros: rap, R&B, soul, trap, funk e outros conversam em harmonia com referências da música clássica, cinema e religião. Joy teve seu primeiro contato com a música através dos corais de igrejas evangélicas que frequentava na infância. Levada pela sua forte identidade com a música de terreiro e outros gêneros negros, teve como guias na construção de sua mensagem Nina Simone, Koko Taylor, Clementina de Jesus, Etta James, Aretha Franklin, Serena Assunção e Beyoncé.

B.A.M. é, segundo a artista, “os sonhos e devaneios de uma mulher que submergiu da grande metrópole brasileira”. Entre as faixas, músicas para dançar, como “Chuva de Prata”, feita a partir de um sample de Liszt, letras que convocam a ancestralidade africana, caso de “Raio de Iansã”, e rimas sagazes, sem medo de provocar poderosos e colocar o dedo em diversas feridas.

A música de trabalho, Nina, encerra o EP. Com o sample de Aint Got No, I Got Life, clássico de Nina Simone, Joy passeia entre os grilhões da sociedade (rock na chibata / joga ela no chão) e os de sua própria mente (muita quetiapina/ pra minha dopamina/ e a sertralina me tirou/ o tempo de viver). Uma estreia que vem para somar na crescente cena do rap feminino nacional.

SOBRE JOY SALES

Em 2013, Joy Sales se muda para São Paulo, fato que marcou o início de sua trajetória artística. Dos saraus nas quebradas às festas under no centrão aos bicos como garçonete, o mergulho na efervescência cultural da cidade foi definidor para ela.

Em julho de 2018, Joy Sales lançou o single e clipe “Força de Dandara”, seu primeiro, que desponta personalidade, poder e força criativa. Para contar a história da letra, Joy reúne a família e amigos para gravar em um cenário clássico do ABC paulista, a represa Billings. https://www.youtube.com/watch?v=IiEPKrg5zJQ

Recentemente, também assinou uma participação no álbum do MC Raphão Alaafin e gravou com ele em seu show de lançamento no Programa Manos e Minas na TV Cultura.
Área de anexos
Visualizar o vídeo Joy Sales - Força de Dandara (Produção Sem) do YouTube

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

Artistas parecidos

Features

API Calls