Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar
Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

O Grêmio Recreativo Cultural Social Escola de Samba Acadêmicos do Tucuruvi é uma escola de samba da cidade de São Paulo, fundada em 1º de fevereiro de 1976 como GRES Acadêmicos do Samba do Tucuruvi por um grupo de moradores do bairro do Tucuruvi. O símbolo adotado pela escola foi um gafanhoto, uma forma de homenagear o bairro, pois "Tucuruvi" em tupi significa "gafanhoto verde". Suas cores no início eram o preto e amarelo, porém mudaram no começo da década de 80 para as cores atuais: azul e branco. Sua melhor colocação foi um Vice-campeonato onde ficou atrás apenas do Vai-Vai em 2011, sendo assim, batendo grandes agremiações como Mocidade Alegre e Rosas de Ouro.

Sob a liderança de José Leandro, Oswaldo de Salva, Tininho e posteriormente, Nenê da Cuica , Aldo Amaral e Horácio Mello, esse que ocupou o cargo de presidente até 1990 resolveram fundar no dia 1º de fevereiro de 1976,uma Escola de Samba que receberia o nome de G.R. Acadêmicos do Samba do Tucuruvi.

O primeiro desfile da escola foi no ano de 1977. O carro alegórico era um gafanhoto que tinha como base uma Kombi coberta com tecido verde. De lá para cá, somente em 2006 o gafanhoto deixou de sair no abre-alas, pois o enredo falava da agricultura e a escola entendeu que um gafanhoto num enredo como este seria mal-interpretado.

O Tucuruvi subiu para o grupo especial pela primeira vez dez anos após sua fundação. O samba-enredo "Brasil em Aquarela" marcou a estreia da escola entre as grandes e ainda é recordado pelos sambistas paulistanos. Se manteve entre as grandes em 88 e 89, caindo e voltando em 93. Caiu em 94, mas subiu em 98, participando de todos os desfiles do Grupo Especial desde então. Suas melhores participações aconteceram em 1993, quando ficou em sexto lugar, e em 1999, quando ficou em quinto, ambas as vezes entre doze escolas, e nesta última vez voltando para o desfile das campeãs. Voltou também em 2000, quando ficou em sexto, mas entre quatorze agremiações e contou com a presença de Preto Jóia, campeão quatro vezes pela Imperatriz, como puxador, e Mestre Jorjão, ex-diretor de bateria da Mocidade e Viradouro. Outros personagens a ser lembrado da escola é o compositor Maurinho da Mazzei, vencedor de quase 40 sambas nas escolas e blocos de São Paulo e Ricardo Gonçalves (Soneca) por estar sempre presente desde a superação e o crescimento da escola.

Em 2009, a escola surpreende com um desfile simples, mas com muita emoção, homenageando a cidade histórica de Ouro Preto, com o enredo Ouro Preto - O esplendor barroco de uma Vila Rica. Relicário da pátria, patrimônio da humanidade terminando na 7º colocação.

Em 2010 a escola foi com o enredo São Luís… Um universo de encanto e magia, com novo carnavalesco: Wagner Santos, que veio da Unidos de Vila Maria. Um grande destaque do desfile foi as batidas de reggae na parte do samba-enredo. Foi considerada, na apuração, uma das favoritas ao título, estando empatado em primeiro lugar com a Rosas de Ouro e a Mocidade Alegre durante boa parte da divulgação das notas, até que no quesito evolução perdeu preciosos pontos que a fizeram ir até a 8ª posição. Se não houvesse descarte de notas, o Tucuruvi chegaria na quarta posição.

Para 2011 a Tucuruvi anunciou que faria uma homenagem aos nordestinos em seu enredo, o que rendeu a agremiação ameaças por e-mail de extremistas. Apesar de criticada por alguns pelo enredo, a Tucuruvi apresentou um belíssimo carnaval na avenida, conseguindo um inédito Vice-campeonato, a mais alta colocação já obtida pela escola no carnaval, superando agremiações de peso como Mocidade Alegre e Rosas de Ouro, tendo ficado apenas 0,25 pontos atrás da campeã Vai-Vai, um resultado merecido para a escola até então considerada de médio porte.

Para o carnaval 2012 a Tucuruvi perdeu Freddy Vianna, o intérprete que depois de 11 anos como cantor principal da agremiação se transferiu para a Mancha Verde, e trouxe de volta, Waguinho, que estava na Mancha Verde. No dia 31/08 a escola divulga uma nota, em que confirma a rescisão do contrato com o Waguinho por descontentamento do intérprete pela a eliminação do samba dele nas eliminatórias da escola. Em seu lugar, Igor Vianna, jovem intérprete carioca, com passagens por Santa Cruz e Cubango assumiu o posto, e foi a voz da escola em 2012, em anúncio feito no dia 12/09. Apresentou de novo um belíssimo desfile, estando em boa parte da apuração em 1º Lugar, mas com três notas 9,8 no quesito Harmonia, a escola ficou em 6º lugar.

Para 2013, inicialmente, a agremiação Acadêmicos do Tucuruvi, iria homenagear o estado de Rondônia, com o enredo Rondônia: das trevas à luz. Estava tudo praticamente certo quanto ao enredo. Porém, em julho, a agremiação resolveu cancelar o enredo. Segundo o carnavalesco Wagner Santos, a escola precisava de um tema mais alegre depois da morte da mulher do presidente Hussein Abdo ElSelam, o Seu Jamil, em maio. Sendo assim, foi acertado a homenagem ao ator e cineasta Amácio Mazzaropi, com o enredo Mazzaropi, o adorável caipira - 100 anos de alegria!. O desfile da escola foi alegre e luxuoso, sendo considerada uma das grandes favoritas ao título durante toda a apuração, ficou em 5° lugar empatada com Império de Casa Verde, no quesito desempate,a escola pecou em evolução e por pouco não voltou no sonhado desfile das campeãs, apesar de tudo, o espetáculo lhe fez repetir o 6º lugar. E lhe garantiu três estandartes de Ouro como Melhor Enredo, Melhor Samba-Enredo e Melhor Casal de Mestre Sala e Porta Bandeira (Thais Paraguassú e Róbinson) de 2013.

Em 2014 a escola da Cantareira manteve a ideia de levar diversão para a avenida através de enredo lúdico, contando um pouco da imaginação infantil com brincadeiras, danças, elementos e personagens que fizeram e fazem parte da alma da criança. Novamente com a competência dos últimos desfiles, a Tucuruvi finalmente conseguiu retornar no desfile das campeãs, conquistando um expressivo 4º Lugar, e confirmando a boa fase na qual a escola se encontra.

Para o carnaval de 2015, a agremiação resolveu dar uma estruturada no seu time, trocando o mestre de bateria, o casal de mestre sala e porta bandeira e com o enredo "Entre confetes e serpentinas, Tucuruvi relembra as marchinhas do seu, do meu, do nosso carnaval" a escola da Cantareira falou sobre a história da folia através das marchinhas, que começaram no Rio de Janeiro, passaram pelos bailes de salões, pelos carnavais de rua, até chegar ao Sambódromo, apesar de seu desfile grandioso, a escola perdeu pontos nos quesitos samba-enredo e fantasia, ficando em 6º lugar, porém mesmo assim conquistou três troféus nota 10, como Melhor Harmonia, Melhor Enredo e Melhor Carnavalesco.

Em 2016, a escola da Cantareira trouxe o enredo: "Celebrando a religiosidade, Tucuruvi canta as festas de fé", fez um desfile luxuoso, extremamente técnico e com muita riqueza de detalhes, porém perdeu pontos preciosos nos quesitos: Enredo, Alegoria e Evolução, amargando um 10º lugar. No carnaval de 2017 a agremiação prestou uma grande homenagem aos artistas de rua, contando a história da cultura das artes urbanas através do enredo de título “Eu sou a arte: Meu palco é a rua”. A diretoria da escola permaneceu com quase todos de seu time do ano anterior, alterando apenas o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, que passou a ser os jovens Kawan Alcides e Waleska Gomes, os quais logo na estreia brindaram com a nota máxima.

Para 2018 a agremiação que teve por 8 anos consecutivos seus enredos desenvolvidos pelo talentoso carnavalesco Wagner Santos, optou em realizar uma mudança na plástica da escola e contratou para o cargo Flavio Campello, o carnavalesco campeão do carnaval de 2017, o qual chegou com a responsabilidade de dar uma nova roupagem para a escola. Junto com Flavio, a escola também contratou Mônica Oliveira para assumir o comando da comissão de frente. O enredo escolhido para este ano foi 'Uma Noite no Museu', inspirado na trilogia de Hollywood de mesmo nome, com uma viagem pelos museus do mundo, terminando com os localizados no Brasil, onde a arte, a história e a ciência ganham vida. Porém a Acadêmicos do Tucuruvi teve que renascer das cinzas na madrugada do sábado, pois um mês antes a escola perdeu 90% das fantasias devido um incêndio em seu ateliê. Mesmo assim, conseguiu levar seu desfile sobre a história dos museus ao Anhembi, mas acabou fazendo apenas uma apresentação simbólica pois a Liga SP já havia anunciado que a mesma não seria julgada.

A Acadêmicos do Tucuruvi falará de liberdade no carnaval de 2019, o carnavalesco Dione Leite estreia na agremiação e desenvolverá o enredo " Liberdade, o canto retumbante de um povo heroico ". O tema fala da luta pela liberdade na história do Brasil desde o descobrimento até os dias de hoje.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Atualize agora

Artistas parecidos

Atrações em destaque

API Calls