Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Wiki

A igreja evangélica é muito conhecida hoje por correntes que dominam a mídia e pregam o chamado evangelho da prosperidade: sem problemas financeiros, afetivos, de saúde etc. Na contramão dessa corrente, a cantora e pastora Fernanda Brum acaba de lançar o CD Cura-me que, pelo título, já diz tudo. Fernanda explica: "Tenho dificuldade de compreender esse evangelho pregado que afirma que nós não vamos passar nada, que nós somos super-homens. Esse não é o Evangelho que eu conheço. Eu conheço a igreja perseguida, conheço os cristãos que estão martirizados e pessoas que sofrem, sim, mas que amam a Jesus Cristo, pessoas que vivem tragédias, mas que se recuperam e seguem em frente porque estão fortes em Jesus. Então esse CD tem o intuito de ser um bálsamo para os corações que precisam ir para pregar o Evangelho, mas precisam ser curados primeiro".
Quando Cura-me chegou às lojas, já era muito aguardado pelo público. Afinal, Fernanda não é só uma cantora de sucesso - já recebeu vários CDs e DVDs de Ouro e de Platina certificados pela ABPD - mas, principalmente, um referencial no segmento evangélico e até fora dele. Atender a essa expectativa exige cuidado a cada decisão tomada, como a escolha da música de trabalho. Cura-me tem 14 faixas que, segundo a presidente da gravadora MK Music, Yvelise de Oliveira, "têm, todas elas, potencial para ganhar popularidade e cair no gosto do público". Como uma só deveria ser escolhida, optaram por "Coração que Sangra", uma letra forte que fala de dor, de desafios vivenciados pelo servo de Deus, e que mostra bem a que veio o CD.
Cura-me, oitavo CD da cantora, também reflete muito o momento que Fernanda vive musicalmente. Desta vez, ela não só compôs letras, mas voltou a tocar violão e também desenhou melodias. A produção é assinada por Emerson Pinheiro, seu marido, e parceiro desde o primeiro trabalho. "Eu vivi um momento em que o Emerson estava compondo para o disco solo dele, e eu eu não tive coragem de lhe pedir músicas. Então voltei a tocar violão, entrei dentro do meu quarto e fluiu. Eu pretendo continuar assim, voltar a tocar mais, a estudar mais", promete Fernanda.
Essa característica da valorização do violão nas músicas é evidente. Em "Aborto, Não" - um flamenco empolgante -, ele impera. Falar nessa faixa sem explicar um pouquinho não dá. A canção nasceu durante uma viagem à Bahia em que Fernanda presenciou um protesto de mulheres que pleiteavam o direito ao aborto. "Eu vi aquela cena e pensei: tanta gente querendo abortar e eu não tive o direito de ter os dois filhos que perdi? Essa constatação aconteceu depois que eu passei pelo primeiro aborto e tive que ir para uma sala de cirurgia. Naquele dia, entendi que o aborto, a curetagem, era uma violência tão grande que questionei: \'Como uma pessoa é capaz de entrar num centro cirúrgico com uma criança viva no ventre e fazer aquele procedimento?\' Essa canção é um protesto!", decreta Fernanda, levantando a bandeira contra a legalização do aborto no país.
Fernanda tem um filho, Isaac, de 4 anos, cujo nascimento é considerado um milagre devido aos outros abortos espontâneos sofridos por Fernanda. Milagre que é cantado na faixa "Não é Tarde", um dueto com Ana Paula Valadão, do Ministério Diante do Trono, que só pôde vivenciar a maternidade depois de alguns anos de espera. Enfim, Cura-me é um disco que fala de bênçãos, de lutas e de vitória, de perseverança, de aflições mas também de bálsamo. "É um disco de cura emocional que tem me feito muito bem", conclui.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls