Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Dream Theater é uma banda de originária de Long Island, Nova Iorque, Estados Unidos e formada em 1985 por John Myung, Mike Portnoy e John Petrucci, enquanto frequentavam o curso de Música da Universidade de Berklee, em Boston, Massachusetts.

Antes de se chamar "Dream Theater", eram conhecidos por "Majesty". Este nome surgiu durante um concerto do Rush, em sua turnê do álbum "Power Windows". John Petrucci, John Myung e Mike Portnoy dormiram na rua para comprar ingressos e assistir ao espetáculo, até que, ao ouvir a canção "Bastille Day" (do álbum Caress of Steel), surgiu o comentário de que aquela música era 'majestosa', ficando assim o nome.

O trio foi em busca de mais membros para a banda. John Petrucci convidou o colega de escola Kevin Moore para o posto de tecladista do grupo. Em seguida, outro amigo de infância do guitarrista, Chris Collins, foi recrutado como vocalista, após os membros da banda ouvirem-no cantar um cover da música "Queen of the Reich", do Queensrÿche.

Durante os primeiros meses de 1986, realizaram diversos concertos nas redondezas da cidade de Nova Iorque. Lançaram sua primeira demo com seis músicas, uma amostra de seu com referências da música , que influenciou muitas bandas posteriormente. Trata-se do disco "The Majesty Demos", cujas mil primeiras cópias foram vendidas em questão de seis meses, tornando a banda relativamente popular no cenário musical novaiorquino.

Após isso, em novembro de 1986, demitiram o vocalista Chris Collins, que não conseguiu se adaptar ao estilo que a banda procurava. Para substituí-lo, convidaram Charlie Dominici, que já era um vocalista mais velho e com mais experiência que os demais membros da banda.

Pouco tempo depois de contratar Dominici, uma banda de Las Vegas, também chamada "Majesty", intentou uma ação judicial por infração aos direitos de propriedade intelectual, clamando o plágio do nome da banda. Isso forçou-os a escolher uma nova denominação para o grupo, e várias ideias surgiram, até que o pai de Mike Portnoy sugeriu "Dream Theater", que também é o nome de uma casa de espetáculos de Monterey, Califórnia. Com novo nome e nova formação, gravaram o primeiro álbum da banda, intitulado "When Dream and Day Unite", em 1989. O disco foi bem aceito pela crítica e bem difundido nas rádios, o que possibilitou maior reconhecimento dos fãs e shows em pequenos clubes, sempre lotados.

Novamente, por diferenças musicais, despediram seu vocalista. Por cerca de dois anos, não tiveram um vocalista fixo, mas mesmo assim não cessaram de compor novas músicas, nem de fazer apresentações, ainda que inteiramente instrumentais. Nesse período, passaram pela banda, no vocal, Steve Stone, Chris Cintron e John Arch (ex-Fates Warning), até que, finalmente, encontraram o vocalista ideal. Era Kevin LaBrie, o vocalista da banda canadense Winter Rose. A partir de então se juntou à banda, adotando o nome de James LaBrie, no intuito de não deixar a banda com dois Kevins (LaBrie e Moore) e dois Johns (Myung e Petrucci).

Em 1992, lançaram o álbum "Images and Words" e, então, foram convidados para abrir alguns shows do Iron Maiden. Tiveram uma excelente recepção e estouraram os índices de vendas no Japão, levando a banda à sua primeira turnê mundial. Para divulgar o disco, foi lançado um single e um clipe da música "Another Day", mas nenhum conseguiu impacto comercial significativo. A música "Pull Me Under", todavia, foi tocada várias vezes nas rádios estadunidenses, o que motivou a gravadora a produzir um clipe, que foi bastante exibido pela MTV, tornando-a a faixa mais conhecida da banda até os dias atuais. Um terceiro clipe, de "Take the Time", foi lançado após o sucesso do anterior, mas não obteve a mesma aceitação da mídia e do público.

Em 1993, fizeram uma turnê pela Europa, que incluiu um show no famoso Marquee Club, de Londres. O show foi gravado e resultou no primeiro álbum ao vivo da banda, "Live at the Marquee".

Quando estavam gravando o terceiro disco, o tecladista Kevin Moore resolveu abandonar o grupo para seguir carreira solo. Sem um substituto para Kevin, terminaram as gravações de "Awake", lançado em 4 de outubro de 1994, que gerou certa controvérsia entre os fãs. O álbum foi visto como o mais "obscuro" do Dream Theater até então, devido ao conteúdo lírico de algumas músicas, focadas principalmente em conflitos internos. A faixa "The Mirror", por exemplo, explora o alcoolismo, vício do qual Mike Portnoy estava se recuperando na época.

Com o sucesso do disco, o grupo viu a necessidade premente de encontrar um novo tecladista. Jens Johansson era o candidato mais cotado para o posto, mas acabou sendo contratado pelos finlandeses do Stratovarius; além disso, Portnoy e Petrucci desejavam muito contar com o tecladista revelação da Keyboard Magazine, Jordan Rudess. Fizeram um convite formal para o músico, que recusou, preferindo unir-se ao Dixie Dregs. Contrataram, então, o antigo colega de faculdade Derek Sherinian, que havia tocado em turnês com o KISS e com Alice Cooper.

Em 1995, foi lançado o EP "A Change of Seasons", contendo a gigantesca faixa homônima (com seus 23:09 minutos) e ainda alguns covers, como "Funeral For a Friend/Love Lies Bleeding", de Elton John, "Perfect Strangers", do Deep Purple, as fusões de "The Rover, Achilles Last Stand e The Song Remains The Same", do Led Zeppelin, e de "In The Flesh?", "Carry On Wayward Son", "Bohemian Rhapsody", "Lovin' Touchin', Squeezin'", "Cruise Control" e "Turn It On Again", respectivamente de Pink Floyd, Kansas, Queen, Journey, Dixie Dregs e Genesis), gravados ao vivo no Ronnie Scott's Jazz Club, em Londres.

O quarto álbum, "Falling into Infinity", chegou em 1997 com músicas um pouco mais melódicas, não tão agressivas quanto as de "Awake",e recebeu críticas mistas dos fãs, que, em geral, estavam acostumados com o estilo musical dos trabalhos anteriores. Faixas como "Hollow Years" e "You Not Me" mostravam um outro Dream Theater, que fez muitos fãs acreditarem em um delineamento sonoro mais comercial. No fim das contas, o disco desapontou crítica e comercialmente. Inclusive, Mike Portnoy comentou no DVD "5 Years in a Livetime", de 2004, que o insucesso o desencorajou a ponto de cogitar deixar a banda, mas foi convencido a ficar, já que ainda havia a turnê do álbum a ser realizada, turnê esta que passou, inclusive, pelo Brasil.

Ainda em 1997, Mike Varney, da Magna Carta Records', convidou Mike Portnoy para formar um 'supergrupo' de músicos e lançar um álbum instrumental. Criaram, então, o Liquid Tension Experiment (LTE), composto pelo próprio Portnoy, com o companheiro John Petrucci, além do já mencionado tecladista Jordan Rudess, que havia deixado o Dixie Dregs, e do baixista Tony Levin, conhecido pelo trabalho no King Crimson. A banda tornou-se um novo vínculo de Petrucci e Portnoy com o famoso tecladista.

Em 1998, o Dream Theater lançou seu segundo disco ao vivo, "Once In a LIVEtime", gravado na França e na Holanda. Após isso, já no início de 1999, o Dream Theater revelou que estava trocando de tecladista, alegando que com o disco ao vivo estavam encerrando uma fase de sua história e, por fim, inserindo Jordan Rudess, que aceitara o novo convite dos já companheiros de LTE, no lugar de Derek Sherinian.

Em outubro de 1999, foi lançado o álbum "Scenes From a Memory", o quinto da banda. O trabalho foi aclamado pela crítica, e considerado por muitos fãs a grande obra de arte do Dream Theater, além de marcar um momento de ressurreição depois do fracasso do álbum anterior. Uma massiva turnê mundial (a maior da banda até então) foi programada para mais de um ano, e todos os shows refletiam os aspectos teatrais do disco. A banda tocava, ao vivo, todas as faixas, do início ao fim, além de um segundo set de músicas e alguns covers e improvisações. Faixas como "Strange Dejà-Vu", Home" e "The Dance of Eternity" eternizaram o brilhantismo conceitual do álbum, tornando-o uma referência para trabalhos posteriores e outras bandas do gênero.

Durante um show em Nova Iorque, no Roseland Ballroom, gravaram o DVD "Metropolis 2000", que contou com uma super-produção, com direito a corais, atores convidados para interpretar os personagens e telão. O show, de três horas e meia, foi lançado com um CD triplo: "Live Scenes From New York". A data do lançamento, infelizmente, coincidiu com os atentados de 11 de setembro de 2001, e em uma coincidência mais infeliz ainda, a capa do CD trazia as torres gêmeas imersas em chamas. Todos os CDs foram recolhidos e a capa refeita, incluindo o símbolo da banda no lugar da maçã (que fazia alusão à cidade de Nova Iorque, apelidada de "Big Apple") e das torres. Entretanto, alguns poucos CDs com a capa original, com as torres gêmeas em chamas, continuam nas mãos de fãs e colecionadores, e passaram a ser considerados raridades.

Apesar da polêmica gerada com o fato, a criatividade da banda não foi abalada. Ainda em 2001, o grupo se fechou no estúdio para gravar um novo álbum, um disco duplo, experimental e controverso, intitulado "Six Degrees of Inner Turbulence". Lançado em 2002, trazia músicas bem extensas no primeiro CD, e um épico conceitual impressionante, de 42 minutos de duração, com o mesmo nome do disco, dividido em 8 partes, no segundo CD. A gênese desta música derivou da faixa "Overture", elaborada por Jordan Rudess, que motivou os demais músicos a aprimorar a composição, criando outros capítulos. A temática abordada envolve novamente a psicologia, particularmente os distúrbios mentais, como o transtorno bipolar, transtorno de estresse pós-traumatico, esquizofrenia, autismo e transtorno dissociativo de identidade.

Mas a complexidade do álbum não limitou-se a isto. Importante destacar, também, o trabalho iniciado por Mike Portnoy, denominado "Portnoy Alcoholics Anonymous Suite" (ou "Twelve-Step Suite"), no qual o baterista explora o programa de recuperação do A.A. (Alcoólicos Anônimos) em doze etapas, sendo as três primeiras ("Reflection", "Restoration" e "Revelation") abordadas na faixa "The Glass Prison", de 13:52 minutos de duração.

Durante este período, fizeram alguns shows 'expandidos', com covers de álbuns completos de bandas famosas, posteriormente lançados para o público como Bootlegs oficiais. São os casos de "Master of Puppets (Official Bootleg)", baseado no disco de mesmo nome do Metallica, e "The Number of the Beast (Official Bootleg)", baseado no disco de 1982 do Iron Maiden.

Após a bem sucedida turnê mundial do álbum, lançaram, no final de 2003, seu sétimo disco: "Train of Thought", que, como o álbum anterior, mudou um pouco a linha musical da banda, o que resultou em críticas severas de fãs mais antigos. É que este álbum foi um trabalho mais pesado do que os álbuns anteriores, mas não deixando o aspecto progressivo nem a virtuosidade e a técnica da banda de lado, o que acabou angariando uma nova legião de fãs, adeptos do mais pesado. Faixas como "As I Am", "Endless Sacrifice" e "In the Name of God" representam este novo foco musical do grupo. Destaque ainda para a faixa "This Dying Soul", na qual Mike Portnoy continua sua saga, explorando os doze passos do plano de recuperação do A.A., sendo que esta faixa perpassa pelas etapas IV e V, denominadas "Reflections of Reality (Revisited)" e "Release".

Em 2004, novamente o Dream Theater realizou gravações ao vivo, que resultou no lançamento de um DVD e um álbum triplo: "Live at Budokan". Gravado no Budokan Hall, em Tokyo, Japão, local onde grandes bandas e músicos como The Beatles, Ozzy Osbourne, Eric Clapton e Bob Dylan já se apresentaram. O DVD traz as principais faixas do álbum "Train of Thought" e faixas dos outros álbuns, dando destaque para um medley instrumental mostrando toda a técnica e destreza dos integrantes da banda, denominado "Instrumedley", que passa por trechos de várias músicas instrumentais do Dream Theater, e inclusive por algumas do Liquid Tension Experiment (o já mencionado projeto paralelo de John Petrucci, Mike Portnoy e Jordan Rudess).

Em 7 de junho de 2005, lançaram seu oitavo álbum, "Octavarium", marcando vinte anos da existência da banda, fato definido como "incrivelmente lindo" pelo baterista Mike Portnoy. No documentário "Score", John Petrucci considerou o álbum o melhor trabalho da banda até aquele momento, face aos aspectos conceituais explorados pela banda, aliados à criatividade única demonstrada nas canções, o que fez muitos fãs afirmarem que, mais uma vez, a banda atingira um novo nível de evolução musical. Destaque para mais uma música épica, "Octavarium", com seus 24 minutos de duração. Destaca-se também a continuação da compilação do "Twelve-Step Suite", com a faixa "The Root of All Evil", que traz profunda análise das etapas VI e VII do programa: "Ready" e "Remove". Em dezembro do mesmo ano, o DT voltou ao Brasil com 3 shows.

Durante um show, realizado em 2 de agosto de 2005, em Dallas, Texas, Estados Unidos, a banda fez uma homenagem a Dimebag Darrell, falecido guitarrista do Pantera, ocasião em que tocaram um cover da música "Cemetery Gates", já no final do show, que contou com a presença de Russell Allen, Burton C. Bell e Dave Mustaine.

A banda, que no dia 1° de abril de 2006 gravou um DVD em Nova York para comemorar seus 20 anos de carreira, surpreendeu o público tocando clássicos e músicas do último CD com a presença de uma orquestra. O DVD foi lançado dia 29 de agosto do mesmo ano, intitulado "Score".

Em 5 de junho de 2007, o oitavo álbum: "Systematic Chaos". Neste trabalho, Mike Portnoy dá sequência à sua saga, e explora os passos VIII ("Regret") e IX ("Restitution") do programa de recuperação dos A.A. na faixa "Repentance". As faixas "Constant Motion" e "Forsaken", a última com um clipe desenvolvido pelo estúdio japônes Gonzo, tiveram boa repercussão. Neste álbum, destaca-se o grande trabalho de John Petrucci, que escreveu quatro das oito músicas, trazendo uma narrativa fictícia em cada, principalmente em "In The Presence of Enemies", que é uma verdadeira epopéia musical, digna de uma banda como o Dream Theater, e que foi dividida em duas partes, por ser longa demais para uma faixa inicial.

A banda iniciou a "Chaos in Motion World Tour 2007-2008", em 2008, e passou pelo Brasil nos dias 7, 8 e 9 de março, nas cidades de São Paulo (realizando um show a céu aberto para quase 15 mil pessoas, no estacionamento do Credicard Hall), Rio de Janeiro e Belo Horizonte, respectivamente. No dia 1º de abril de 2008, foi lançada a primeira coletânea da banda, um CD duplo intitulado "Greatest Hit (...and 21 Other Pretty Cool Songs)". O título do álbum é uma brincadeira referindo-se à música "Pull Me Under", que foi o único verdadeiro hit do grupo, com amplo sucesso e divulgação pela mídia. A compilação também inclui três músicas remixadas do álbum "Images and Words", cinco versões editadas de outras músicas famosas, além de uma versão B-Side da música "Through Her Eyes".

Um novo DVD duplo chamado "Chaos in Motion 2007–2008", com músicas de shows da turnê Chaos in Motion, foi lançado pela Roadrunner Records em 23 de setembro de 2008; a edição especial inclui três CDs com o áudio das músicas do DVD.

A banda entrou em estúdio em setembro de 2008 para, então, começar as gravações do novo álbum, "Black Clouds & Silver Linings", lançado mundialmente no dia 23 de junho de 2009. O álbum tem elementos de todas as antigas gravações, do conceitual "Octavarium" ao pesado "Train of Thought". A música "The Shattered Fortress" completou os três últimos passos da saga "Portnoy Alcoholics Anonymous Suite": X ("Restraint"), XI ("Receive") e XII ("Responsible").

Todas as letras das faixas de "Black Clouds & Silver Linings" foram escritas por Mike Portnoy e John Petrucci, e todas, com a exceção de uma ("A Rite of Passage"), tratam de experiências pessoais sobre momentos perturbadores e difíceis nas vidas dos dois músicos. Petrucci escreveu "A Nightmare to Remember" inspirado em um acidente de carro em que se envolveu quando criança; "The Count of Tuscany" sobre um recente encontro que teve na Toscana, Itália; e "Wither" sobre seu writer's block ("bloqueio criativo"). Portnoy escreveu "The Best of Times" em homenagem a seu pai, que morreu de câncer; "A Rite of Passage" sobre rituais maçônicos, e a já mencionada "The Shattered Fortress".

Lançaram, ainda, uma edição especial de 3 discos, contendo o álbum "Black Clouds & Silver Linings", uma versão do mesmo sem os vocais de James LaBrie, e uma coletânea com covers de seis faixas, disponibilizadas em singles semana a semana até o lançamento oficial: "Stargazer", "Tenement Funster/Flick of the Wrist/Lily of the Valley", "Odyssey", "Take Your Fingers From My Hair", "Larks' Tongues In Aspic, Part Two" e "To Tame a Land", respectivamente de Rainbow, Queen, Dixie Dregs, Zebra, King Crimson e Iron Maiden.

Em 12 de novembro de 2009, Mike Portnoy anunciou que o Dream Theater gravaria uma faixa instrumental exclusiva para inclusão na trilha sonora do jogo God of War III, do console Playstation 3. O título ("Raw Dog") é um anagrama de "War God". As gravações foram encaminhadas para a gravadora em janeiro de 2010, e marcaram a primeira vez em que a banda gravou uma faixa exclusiva para um projeto externo.

Em uma entrevista concedida no mês de junho de 2010, o vocalista James LaBrie revelou que, a partir de janeiro de 2011, começariam os trabalhos do próximo álbum. Entretanto, no dia 8 de setembro de 2010, quarta-feira, o baterista Mike Portnoy anunciou oficialmente sua saída da banda após tentar negociar com os demais membros - sem sucesso - uma parada nos trabalhos, um hiato, para que ele pudesse se dedicar a outros projetos, como o Transatlantic (supergrupo de rock progressivo liderado por Neal Morse), além de dar continuidade ao posto de baterista do Avenged Sevenfold, ocupando o lugar de James "The Rev" Sullivan, que faleceu de overdose em 28 de dezembro de 2009.

Os outros integrantes não concordaram com a parada proposta por Portnoy e decidiram continuar sem ele. A notícia de sua saída tornou-se um grande choque para os fãs, pois foram vinte e cinco anos durante os quais Mike Portnoy esteve à frente da bateria do Dream Theater.

Com a saída de Portnoy, somente dois dos três membros originários permanecem na banda, juntamente com James LaBrie e Jordan Rudess: o guitarrista John Petrucci e o contrabaixista John Myung.

Em 29 de abril de 2011, a banda divulgou o nome de seu novo baterista: Mike Mangini, escolhido após um criterioso processo de seleção que incluiu também Derek Roddy, Marco Minnemann, Thomas Lang, Virgil Donati, Aquiles Priester e Peter Wildoer. As audições foram gravadas e disponibilizadas em três partes no YouTube, mostrando a performance de cada um dos bateristas junto com os demais integrantes, bem como os comentários dos membros sobre os participantes.

Já com a nova formação, o décimo primeiro álbum da banda foi lançado, precisamente no dia 13 de setembro de 2011, marcando a estréia oficial de Mike Mangini à frente da bateria. A Dramatic Turn of Events teve imediato sucesso entre os fãs e a crítica especializada; o single "On the Backs of Angels", lançado no canal da banda, no YouTube, em 29 de junho de 2011, foi bem recebido e gerou diversos comentários acerca de uma retomada da sonoridade características dos álbuns mais antigos.

Além de uma dedicação excepcional de John Petrucci, compositor de sete das nove faixas do álbum, e responsável pela mixagem e produção, o trabalho também marcou a volta do baixista John Myung à escrita; sem compor desde 1999 (sua última contribuição como letrista foi na música "Fatal Tragedy"), o músico foi o responsável pelas letras da faixa "Breaking All Illusions". Outro que contribuiu com letras foi James LaBrie, autor de "Far From Heaven".

O Dream Theater se tornou uma das bandas de mais bem sucedidas desde o auge deste estilo musical em meados da década de 1970.

A banda é conhecida pela qualidade técnica de cada um de seus integrantes, tendo ganhado vários prêmios por revistas especializadas. Todos os integrantes são muito respeitados por grandes nomes do e , tendo colaborado com vários outros músicos de renome. Em um exemplo famoso, o guitarrista John Petrucci foi nomeado como o terceiro guitarrista do G3 por seis vezes, juntamente com Steve Vai e Joe Satriani, seguindo a trilha de guitarristas como Eric Johnson, Robert Fripp, Paul Gilbert e Yngwie Malmsteen.

O Dream Theater também é conhecido por sua versatilidade em estilos musicais, o que tornou possível à banda realizar shows especiais com vários outros artistas, que incluem Frank Zappa, Deep Purple, Emerson, Lake & Palmer, Iron Maiden, Joe Satriani, Marillion, Megadeth, In Flames, Pain of Salvation, Porcupine Tree, Queensrÿche, Fear Factory, Enchant, Symphony X, Pink Floyd, Rush e Yes.

O álbum "Images and Words", lançado em 1992, foi o mais vendido da banda e chegou à posição nº 61 do top 200 da Billboard. O álbum "Awake", de 1994, chegou à posição nº 32 e o álbum "Six Degrees of Inner Turbulence", de 2002, à posição de nº 46, ambos com grande aceitabilidade. Em 2007, o álbum "Systematic Chaos" entrou na lista da Billboard na posição nº 19. Porém, o trabalho que lhes rendeu a melhor posição na Billboard foi "Black Clouds & Silver Linings", que chegou à 6ª posição, além da 1ª posição do Top 100 da Eurochart Hot. Duas posições atrás, em 8º no ranking da Billboard, o álbum "A Dramatic Turn of Events" também atingiu a 1ª posição da UK Rock Chart. A banda já vendeu mais de dois milhões de discos nos Estados Unidos, e mais de oito milhões ao redor do mundo.

Site oficial: http://www.dreamtheater.net.
Além disso James LaBrie gosta de cair no palco, este alega que se sente em casa quando esfrega sua cara no chão.

Editar esta wiki

Não quer ver os anúncios? Assine agora

Links externos

API Calls