Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar
Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

CIRURGIA MORAL

Em 1993 forma-se o grupo CIRURGIA MORAL, inicialmente com quatro componentes. O grupo segue uma linha bem pesada e polêmica devido à temática que expõem em sua letras, retratando o verdadeiro cotidiano das grandes capitais e periferias. No mesmo ano o grupo ganha admiradores das mais variadas idades e fazem diversos shows em todo o DF e região do entorno. Incentivados pela boa repercussão, iniciam o projeto de uma fita-demo no intuito de conseguir uma gravadora para lançar o primeiro disco.

No ano seguinte lançam o seu primeiro disco pelo selo independente DISCOVERY (Brasília/DF) - na época como um trio: Rei, "W" e China. "Cérebro Assassino" (na época, lançado apenas em vinil) contou com a participação do grupo Câmbio Negro, usando em algumas faixas um som acústico (baixo, bateria e guitarra). O disco vendeu na época 6.000 cópias, rendendo muitos shows em São Paulo e na periferia de Brasília. Abordando temas polêmicos, como a grande violência em que se vive nos presídios brasileiros, o álbum lhes garantiu muitos elogios da imprensa local. No mesmo ano, receberam o prêmio "Revelação do Ano" na caterogia Rap, evento promovido pela Metrô FM de São Paulo através do programa "Projeto Rap Brasil".

Em 95 o grupo se dedica a divulgar o álbum, e aproveitam para colaborar com o DJ Jamaika (ex-Câmbio Negro) na criação do seu novo grupo, o promissor ÁLIBI. Participam e compõe algumas músicas com o grupo - inclusive um dos hits do primeiro álbum do ÁLIBI, a faixa "No Reino da Morte". A parceria é tão bem sucedida que em 96 convidam o amigo DJ Jamaika para produzir o segundo álbum do CIRURGIA, intitulado "A MINHA PARTE EU FAÇO" (já como uma dupla, Rei e "W"). O novo álbum é lançado (também em CD) e conta com a participação do ÁLIBI em três faixas. O carro chefe foi a música-título, seguida de "Gospel Gangsta" e "Falsa Malandragem", tornando o grupo conhecido nacionalmente e ganhando a admiração dos mais importantes rappers do país, chegando a vender mais de 12 mil cópias.

Seguindo a divulgação do segundo álbum com diversos shows na periferia do DF, chega o ano de 1998, importante para o crescimento do CIRURGIA. De uma só tacada eles relançam o primeiro álbum em CD (incluindo mais 3 faixas bônus), e lançam mais um álbum: "Respeito a Quem Merece". O novo álbum mostra a evolução e maturidade do grupo com letras mais engajadas e mais conscientes, com o objetivo de mostrar que o jovem da periferia tem outros meios de ganhar respeito e ser respeitado sem o uso da violência ou arbitrariedade. Um dos pontos mais significativos do CD são as faixas "Mortos Amados", "Quem Vive do Crime - Sinal da Cruz", "Dorme Neném" e a faixa título - um verdadeiro tapa na cara do sistema brasileiro. Ouça e tire suas próprias conclusões.

Tel (061) 224-4050 - Fax (061) 226-5404

E-mail: cirurgiamoral@rockdemo.com

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

Artistas parecidos

Features

API Calls