Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

  • Data de nascimento

    13 Janeiro 1954 (idade 65)

  • Local de nascimento

    Paris, Île-de-France, França

Bruno Coulais (nascido em 13 de Janeiro de 1954) é um compositor francês, mais conhecido por criar trilhas sonoras de filmes. Ele recentemente compôs músicas para o filme O Segredo de Kells, lançado em 12 de Março de 2010. Um grande sucesso foi Coraline (de 2009), onde ele compôs todas as músicas.

Coulais nasceu em Paris; o pai dele é de Vendée e a mãe nasceu em Paris. Coulais começou na música tocando violino e piano, com o objetivo de se tornar um compositor contemporâneo de músicas clássicas. No entanto, ele desitiu desse seguimento e começou à fazer trilhas sonoras de filmes. Coulais foi particularmente influenciado pelo filme François Reichenbach, onde os produtores também convidaram-no em 1977 para gravar a trilha sonora do filme México mágico. A primeira produção da trilha foi do filme longa-metragem de 1986 La femme secrète de Sébastien Grall. Até o final dos anos 90, ele permaneceu de baixo perfil, compondo principalmente para a televisão. Seu nome muitas vezes é citado em filmes de TV como Gérard Marx e Laurent Heynemann. Ele também compôs as trilhas sonoras de Christine Pascal de 1992 como Le petit prince a dit, e Agnès Merlet com Le fils du requin no ano de 1993.

Em 1994, ele conheceu o produtor de televisão Josée Dayan, que-o deixou para escrever o tema para a série de TV La rivière esperance, exibido na Rede de Televisão France 2 no Outono de 1995. Ele trabalhou com Dayan novamente com outras grandes produções como Le Comte de Monte-Cristo, Balzac, e Les nuiteux.

O maior ponto de viragem da sua carreira aconteceu em 1996, quando trabalhou com os diretores Claude Nuridsany e Marie Pérennou do documentário Microcosmos. Este filme único, deu uma grande importância para a música, foi um grande sucesso que de Coulais um dos compositores mais procurados da música do cinema francês. Em 1997, ganhou o "Prêmio César", prêmio de melhor trilha sonora de um filme, bem como a Victoire de la Musique. Sua reputação foi confirmada pelas trilhas sonoras de Himalaia (1999) e [Rivières ] (2000), e após o nome de Bruno Coulais foi encontrado na maior parte dos grandes sucessos franceses, assim como como o Belphégor e Vidocq.

Depois de produzir a trilha sonora de Winged Migration em 2001, Coulais anunciou que queria reduzir significativamente suas contribuições para cinema, música e concentrar-se em outros projetos, tais como a criação de uma ópera para as crianças, e colaborações com Akhenaton, Akhenaton grupo IAM e o Córsega, com quem havia trabalhado desde que ele tinha feito a trilha sonora do filme Jacques Weber e Don Juan em 1998.

Em 2002, seu nome foi encontrado nos créditos finais da animação L'enfant qui voulait être un nosso , e em 2004, com Frédéric Schoendoerffer' e Agents. No mesmo ano, ele escreveu a trilha sonora do filme Les Choristes por Christophe Barratier, que posteriormente se tornou um sucesso internacional. A música para este filme recebeu como um grande elogio como o próprio filme, e ganhou seu terceiro prêmio "César". Desde então, colaborações de Coulais no cinema parecem estar limitadas às obras de diretores com quem já compartilha um pouco de história, em especial Jacques Perrin, Frédéric Schoendoerffer, e James Huth.

Em 2009 ele venceu o 37th Annie Awards na categoria "Música em Produção de Recursos" pelo filme Coraline e o Mundo Secreto.

O estilo musical de Bruno Coulais pode variar significativamente entre diferentes projetos, mas existem alguns fatores constantes visível: o seu gosto pela ópera e para a voz humana (em especial o das crianças), para a busca de originais sonoridades, para o mundo da música e mistura de diferentes culturas musicais e, finalmente, uma certa tendência para privilegiar o ambiente criado por iluminação, e não a narração do filme.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

Links externos

API Calls