Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Surgindo das cinzas da Devoid, Body Void é um trio vindo de São Francisco da Califórnia e tem como objeto produzir um som visceral, nervoso e com muito peso. O álbum Ruins foi lançado em 16 de Junho e reúne 4 faixas de uma sonoridade atordoante, repleta de riffs poderosos, vocais furiosos e agonizantes, além de um clima caótico e soturno contido ao longo do álbum.

O trio formado por Will Ryan (guitarra, vocal), Parker Ryan (baixo) e Edward Holdgerson (bateria), consegue criar um Sludge / Doom cru, direto, sem firula, algo já claramente nítdo na faixa de abertura Swan. A banda sabe como adicionar elementos vindos do Crust e Drone ao longo das faixas.

Toda agressividade da veia Crust da banda é distribuída em Erased, faixa seguinte. Um ritmo pesado, mais veloz e com aquele d-beat sob medida ditam o rumo da faixa. Monolith é auto explicativa, a banda cria um ritmo monolítico e intensamente pesado ao longo da faixa. Suja, arrastada, com timbres graves e pesados, além da bateria carregada que soa como um trovão, tudo isso sendo liderado pelo vocal inquieto do Will Ryan, a faixa traz uma verdadeira devastação sonora ao ouvinte. A faixa título encerra o álbum e é a minha favorita. Durante 16 minutos, a banda leva o ouvinte a uma jornada única, com uma densidade vinda de uma atmosfera sombria e fria. Um rimo mais cadenciado com uma forte pegada Drone, a faixa traz uma construção bem elaborada e não perde a qualidade. A banda ainda soube encaixar uma passagem mais psicodélica na segunda metade da faixa, o tom mais destacado, estridente e chapado da guitarra durante um solo que se estende até os instantes finais, onde a banda alterna entre todo peso e intensidade possível ao melhor estilo de nomes como Primitive Man e Burning Witch, com ritmos cadenciados num clima mórbido e cavernoso. Um dos releases mais interessantes que escutei até o momento e fico ansioso desde já por mais material da banda.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

Links externos

API Calls