Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Wiki

I AM… Sasha Fierce (Deluxe Extended Edition) é a reedição do terceiro álbum de estúdio da cantora estadunidense Beyoncé, I AM… Sasha Fierce.

Lançado a 23 de novembro de 2009, a edição extendida contém todas as músicas da versão de luxo do álbum, com inclusão de uma nova música (Poison) e de um remix da música Video Phone com a participação da cantora Lady Gaga. Nas lojas Walmart dos Estados Unidos a edição estendida ainda contou com Why Don't You Love Me, um single promocional que fora incluído anteriormente na edição de platina do álbum.
Esta versão contou com apenas um disco, em contrapartida do lançamento das versões padrão e de luxo, que vieram em disco duplo, cada uma. Ademais, esta edição do álbum foi a última a ser lançada, juntamente com o extended play de faixas bônus: I AM… Sasha Fierce - The Bonus Tracks - EP.

A primeira parte do disco (I AM…), incorpora baladas lentas de R&B e Pop, enquanto a segunda parte (Sasha Fierce), uma homenagem ao alter-ego de Beyoncé nos palcos, contém canções dançantes que misturam gêneros Eurodance e Electropop.

Beyoncé creditou seu marido JAY-Z e a cantora de jazz Etta James, como as suas maiores inspirações a incorporar outros gêneros e melodias para o álbum. Musicalmente, I AM… Sasha Fierce buscou inspiração folk e rock alternativo, enquanto mistura elementos de guitarra acústica para as baladas contemporâneas. As faixas da primeira parte do disco foram escritas e produzidas por Beyoncé com a ajuda de Kenneth Edmonds, Christopher Stewart, Terius Nash e Ryan Tedder, enquanto que a produção e composição de Sasha Fierce foi feita por Rodney Jerkins, Sean Garrett, e Solange Knowles.

O álbum original estreou em #1 na Billboard 200, vendendo 482 mil cópias na semana de seu lançamento, tornando-se o terceiro álbum solo #1 consecutivo de Beyoncé nos EUA. Teve uma recepção comercial mundial muito positiva, vendendo mais de 8 milhões de cópias. Tornou-se um sucesso comercial, ganhando pelo menos quinze certificações de platina em vários mercados distintos em todo o mundo. O álbum ganhou dez nomeações aos Grammy Awards na 52ª cerimônia anual, acabando por recolher seis vitórias, a maior conquista por uma mulher em toda a história da premiação. Para promover o álbum, Beyoncé apareceu em várias premiações na televisão em toda a Europa e América, bem como embarcar no mundo inteiro na I AM… Tour, que foi realizada entre os anos de 2009 e 2010.

O álbum teve vários singles, alguns servindo como lançamentos internacionais e locais, enquanto outros foram promocionais.
Os dois singles líderes de I AM… Sasha Fierce, If I Were A Boy e Single Ladies (Put A Ring On It), foram os dois maiores êxitos internacionais. O primeiro chegou ao topo das paradas em mais de oito países, alcançando o número três na Billboard Hot 100, enquanto o segundo conseguiu a primeira posição dentro do top dez em vários mercados principais da música, tornando-se seu quinto single #1 na Hot 100.
Diva e Ego foram lançadas como singles apenas nos EUA.
Halo e Sweet Dreams foram promovidas a nível internacional como o terceiro e quarto singles, respectivamente.
Broken-Hearted Girl foi lançado internacionalmente como o quinto single, enquanto Video Phone foi lançado em Novembro de 2009.
Ainda tornaram-se singles promocionais Why Don't You Love Me e a canção Honesty, ambas incluídas como faixas bônus na edição de platina do álbum.

RECEPÇÃO DA CRÍTICA
De acordo com o site Metacritic, o álbum recebeu críticas positivas, recebendo 62 dos 100 pontos totais, baseando-se em outras resenhas de críticos musicais.
Mariel Concepcion da revista Billboard, escreveu "Beyoncé definiu as faixas desse álbum duplo para o seu alter-ego, Sasha Fierce… Mas, as canções clássicas de R&B estão no porção do álbum que parece ser um trecho muito bem-vindo para a cantora".
Comparando as músicas do disco "Sasha Fierce" com o B'Day, o portal Allmusic disse que o álbum era "menos divertido, menos impulsivo, e sim, menos feroz.
Amy Linden da revista Vibe, favoreceu a personalidade dos dois lados do álbum, fazendo boas críticas sobre o seu alter-ego.
Christian Hoard, da revista musical Rolling Stone, escreveu que "Seu terceiro álbum oferece dois discos, uma coleção de baladas sinceras creditada a Beyoncé e um conjunto dançante creditados a Sasha Fierce".
Leah Greenblatt do Entertainment Weekly deu para o álbum um B+ e disse que o álbum oferece "dois lados convincentes" de Beyoncé, descrevendo o primeiro disco como "romântica, vulnerável, suave" e o segundo disco como "agressivo, sexual e bem feroz". Leah ainda disse que "O álbum poderia ter ficado melhor se tivesse sido editado em apenas um disco, ao invés de ridicularizar o que em última análise, parece uma jogada de marketing".

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls