Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

O embrião do Beach Lizards se originou no longínquo ano de 1987 quando o baixista Laércio e o guitarrista Gustavo se conheceram quando estudavam no Colégio Marista São José na Tijuca, Rio de Janeiro. Gustavo havia estudado com Demétrius (vocal) no Colégio Cinco, também na Tijuca, que morava no prédio de Túlio, então baterista da banda de heavy metal Extermínio.

Os quatro resolveram se juntar para tocar covers de punk rock como Buzzcocks, Dead Kennedys, Sex Pistols, Ramones etc, e se batizaram com o nome do antigo órgão de tortura da ditadura militar brasileira ‘DOI-Codi’, com o objetivo de chocar e chamar atenção. E conseguiram. Saíram numa matéria de duas páginas na revista ‘Programa’ do Jornal do Brasil sob o título ´rock do diabo´, contrastando com uma banda evangélica (rock de Deus).
Foram convidados a parar de tocar em duas festas de 15 anos, uma delas por se recusarem a tocar um cover do Legião Urbana, a pedido da aniversariante. Mas a história mais interessante foi no Sarau do Colégio São José de 1988, quando, para serem aceitos, era necessário enviar uma fita demo. Como não possuíam, gravaram 4 músicas dos Buzzcocks e se inscreveram dizendo que eram músicas próprias. Deu certo, pois ninguém conhecia Buzzcocks. Mal podiam imaginar que sete ou oito anos depois estariam abrindo um show de seus ídolos no Garage Art Cult, local que tornou a banda conhecida no underground carioca junto com o velho Circo Voador.

Em 1989 começaram a aparecer as primeiras composições próprias como ‘Coming Back Home’, ‘Jobsite’, ‘Rock´n´roll’ (estas duas últimas ainda inéditas) e outras. Foi quando resolveram mudar o nome para ‘Flintstones’ para obter mais aceitação nos lugares que tocavam.

Neste mesmo ano, Gustavo foi morar nos Estados Unidos e Cláudio e Marcos, que moravam no mesmo prédio de Laércio e tocavam com ele numa banda chamada Juízo Final, foram convocados para assumir as guitarras. Com este nome lançam a fita demo ‘So What’, em 1991, com fortes características de surf music e sendo elogiada pela revista Bizz.
No final deste ano, Marcos deixa a banda, não sendo substituído, ficando a banda com apenas uma guitarra.

Neste mesmo ano mudam de nome, procurando alguma coisa mais original. Beach Lizards foi escolhido após terem visto uma reportagem no jornal sobre a extinção dos lagartos de praia na Barra da Tijuca.

No final de 1991, Túlio deixa a banda e Nervoso, então baterista da banda punk ‘Stupid Nerv’ e fã do Beach Lizards assume as baquetas trazendo uma batida mais pesada e excelentes composições para a banda.

Em 1992 lançam a fita demo ‘Piercing Ears’, cujo som é mais pesado, influenciado pela explosão do Nirvana e do movimento grunge no ano anterior.

Em 1993 é lançada a demo ´Waiting Room´, nome dado devido a uma matéria que dizia que o Beach Lizards era a bola da vez e estava na sala de espera como a próxima banda a estourar no cenário nacional, já com Demétrius assumindo a segunda guitarra. 1993 e 1994 foram o auge do BL, culminando com um show no Canecão ao lado de ‘Second Come’ e ‘Gangrena Gasosa’, diversos no Circo Voador, dezenas no Garage, além de outras cidades como Brasília, Curitiba, Juiz de Fora, Campinas e São Paulo.

Em 1994 lançam o primeiro cd ‘Brand New Dialog’ pela Polvo Discos do Rio de Janeiro, apenas dez dias após o fim da rádio Fluminense FM. Com o término da Fluminense, o movimento underground do Rio pede força tornando a vida das bandas cariocas mais difícil.
No final de 1995, já com a idéia de se acabar a banda, é lançada a demo ‘Extraño’, com quatro músicas novas e três covers, sendo um deles ‘Sexy Lenore’ da banda carioca ‘Dash’. O som agora incorporava influências do hardcore californiano, conferindo um estilo próprio à banda. O resultado foi tão bom que reanimou a banda a continuar tocando e rendeu o convite para lançamento do segundo cd ‘Spinal Chords’ pela Orphan Records, de Santos, que saiu em meados de 1996.

Apesar do bom trabalho, as coisas não evoluíram e a mudança de Demétrius para os EUA foi apenas a gota d’água para o fim da banda, que fez seu último show em janeiro de 1997 no Rio de Janeiro.

Após seis anos de encerramento das atividades, o cd ‘Spinal Chords’ é relançado em 2003 pela Gravadora Barulho Records, de Curitiba, contendo 14 faixas extras com gravações de fitas demo e um acústico gravado para a rádio Fluminense em 1992. Isto motivou a reunião da banda que convocou o vocalista Fabrício (Barneys e Rivets) e o guitarrista Bruno (Barneys) para o lugar de Demétrius que continua no exterior.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls