Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Amnese é o pseudônimo adotado pelo violonista, compositor e cantor Nelson Barreto para nomear sua banda fictícia criada em 2003. Sob a alcunha de “Amnese” lançou três álbuns e um Ep, sendo revelado apenas em seu trabalho mais recente, “Sofia e a curva do céu”, que Amnese como banda não existia. Em todos os trabalhos anteriores, o trabalho de composição, gravação e execução das canções havia sido dividido com outras cinco pessoas que nunca existiram.

Amnese faz música experimental com o emprego de instrumentos acústicos de forma não usual na tentativa de mesclar diversas influências de rock alternativo, lo-fi, rock progressivo e pós-rock.

Como Amnese, Nelson Barreto gravou três álbuns, “Songs for Rainy Days”, “Apatheia” e o mais recente e primeiro em português, “Sofia e a curva do céu”, além de um Ep instrumental chamado "Zumbis", composto por quatro temas escritos para o filme independente "Zumbis do Espaço de Lá".

A atividade da Amnese começou em 2003 com a gravação do álbum “Songs for Rainy Days”, lançado apenas em 2004, já sob a alcunha de Amnese, juntamente com os integrantes fictícios da banda.

Posteriormente, em 2005, este álbum foi lançado em tiragem limitada, já esgotada, na Itália pelo selo independente Coldcurrent. Hoje, o álbum, que possui uma gravação completamente lo-fi cheia de ruídos foi remasterizado, ganhando duas faixas bônus, todavia, tal versão ainda não foi lançada.

Em 2006, foi lançado "Apatheia", primeiro álbum conceitual da Amnese, o qual narra a história verídica de um rapaz, próximo ao músico, que cometeu suicídio no verão de 2001. Muito mais experimental que o anterior e com uma atmosfera mais cavernosa, "Apatheia" alcançou um pequeno sucesso, porém, terminou sendo recusado pelo selo italiano por ser "esquisito demais".

Em 2007, iniciaram-se as gravações do sucessor de "Apatheia", focando-se muito mais em canções instrumentais, diminuindo-se cada vez mais o uso dos vocais. As gravações foram interrompidas para a composição e gravação de "Zumbis", após o convite para participar da trilha do filme "Zumbis do Espaço de Lá".

Em 2008 é lançado o terceiro álbum após grande expectativa criada com a divulgação da canção “O dia em que resolvi sumir”. O título do álbum é "Sofia e a curva do céu". Primeiro álbum em português da Amnese e, novamente, um álbum conceitual, desta vez baseado na literatura de Friedrich Nietzsche, o qual narra da história do "Egoísta" que após fugir do mundo, busca entendê-lo no alto da “Curva do céu”.

Junto com o lançamento do terceiro álbum, Amnese desmentiu a história da existência da banda e assumiu a criação de todo o trabalho musical, revelando que os outros integrantes da Amnese sequer existiam. . Os integrantes criados pelo músico eram André Torres, Matheus Torres, Daniel Vasari, Ícaro Lessing e Pedro Antero, cada um com funções definidas na banda e com características próprias atendendo aos clichês do rock n’ roll, conforme escreveu na carta intitulada “Sofia e a farsa de Amnese” que acompanhava o álbum.

Assim sendo, as únicas contribuições nos trabalhos da Amnese são de Pedro “Raspado” Sizer, ex-baterista da “Empty Eyes”, que toca flauta em “Apatheia” e “Sofia e a curva do céu” e de Renata V. a voz feminina que se escuta nas narrações destes mesmos dois álbuns.

Todos os trabalhos da Amnese foram gravados no Apt. 136, a própria residência do músico, e os instrumentos utilizados são apenas instrumentos acústicos como violões de aço e nylon, baixo acústico, viola caipira, percussões variadas, violões com arco de violino, alguns efeitos utilizados em cima das gravações desses instrumentos e ainda instrumentos caseiros criados pelo próprio.

Quanto ao futuro da Amnese, segundo a carta citada, este é incerto.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls