Reproduzindo via Spotify Reproduzindo via YouTube
Saltar para vídeo do YouTube

Carregando o player...

Scrobble do Spotify?

Conecte a conta do Spotify à conta da Last.fm e faça o scrobble de tudo o que você ouve, seja em qualquer app para Spotify, dispositivo ou plataforma.

Conectar ao Spotify

Descartar

Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

A mandinga da música psicodélica popular e brasileira.

A Outra Banda da Lua desponta no horizonte musical fazendo a maré encher. A primeira característica marcante desse fenômeno é a pluralidade de vozes e sonoridades que se fundiram pra fazer nascer um novo som – Gal Costa, Jorge Ben, Jorge Mautner, Raízes, Novos Baianos, Tom Zé e tantos outros artistas formam a constelação musical, o campo gravitacional em que a Outra Banda orbita. O fenômeno tem causado impacto por onde passa. Primeiro impacto: quem ocupa o front da Banda é uma mulher! Marina Sena, que há pouco tempo era a menina Marina, impressiona pela singularidade de seus vocais, marcados por um timbre único. Notas de pequi e buriti? Sim! E a gente adora. Impressiona também a velocidade da luz com que essa jovem cantora vem amadurecendo sua interpretação. Muito sabor! Na guitarra, na cítara e eventualmente em outras cordas, o veterano Edson Lima não deixa a gente esquecer que a Outra Banda é rock, é raiz e é do mundo. Na cozinha, a batera animada e sensível de Mateus Sizílio não deixa a peteca cair um segundo. Pra enriquecer as harmonias e ritmos, ainda tem o multi-instrumentista e prodígio André Oliva. Por último mas não menos importante, o caxias da banda, Matheus Bragança, salva um baixo absolutamente preciso e inspirado que segura a onda dessa explosão toda. Um ponto interessante e super digno de nota é que todos os membros do grupo contribuem com composições autorais, inclusive a vocalista Marina, e é importante dizer isto porque, sim, aqui tem protagonismo feminino. Aliás, há uma sintonia tão forte entre esses músicos que as várias composições autorais formam um microclima completo, e se não fosse a ficha técnica a gente poderia gastar um tempo discutindo de quem é tal música, tipo aquelas discussões – é Lennon ou é McCartney? Além disso, a maioria dos membros já tem estrada como produtores culturais e musicais, e isso se reflete na impregnação artística que está em todos os detalhes do que a banda faz: desde as timbragens até o visual, a presença de palco e o tipo de evento e acontecimento para o qual ela contribui. Olhando mais um pouquinho nessa luneta mágica a gente poderia observar que, vá lá, que Mutantes e Sá Rodrix e Guarabira influenciaram muita gente a gente sabe, mas o fato é que acompanhando o trânsito da Outra Banda a gente vê uma música muito brasileira que começa a cantar o século 21. Inclusive, deixa pra lá o rótulo de “regionalista”, aqui estamos no terreno da singularidade. Terreno recém-imantado. Aqui o sol queima, o rock estala e o swing embala. O singular quer refazer as conexões – de modo que essa música não se parece nem de longe com certo mainstream brasileiro, de composições tecnicamente impecáveis mas ainda assim tão previsíveis e bem comportadas! Também não se confunde com algumas novidades peculiares que estão por aí: não é o novo mangue beat (Siba/Karina Buhr), não é tilelê (Luiz Gabriel e Gustavito), não é black music pop (Liniker) – é um pouco disso e não é nada disso. É outra coisa, com linguagem e expressão próprias. Então, hora de expandir os horizontes – olha pro céu, meu amor, e dê um rolê na Outra Banda da Lua.

Editar esta wiki

Não quer ver anúncios? Assine agora

API Calls