Playing via Spotify Playing via YouTube
Skip to YouTube video

Loading player…

Scrobble from Spotify?

Connect your Spotify account to your Last.fm account and scrobble everything you listen to, from any Spotify app on any device or platform.

Connect to Spotify

Dismiss

A new version of Last.fm is available, to keep everything running smoothly, please reload the site.

Lyrics

É pau, é pedra, é o fim do caminho
Um resto de toco, um pouco sozinho
Um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, o nó da madeira

Caingá, candeia, é o Matita Pereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
O mistério profundo, queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira

Lyrics continue below...

Don't want to see ads? Upgrade Now

É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira
Uma ave no céu, uma ave no chão
Um regato, uma fonte, um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
Um pingo pingando, uma conta, um conto
Um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
A luz da manhã, o tijolo chegando

É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
O projeto da casa, o corpo na cama
O carro enguiçado, é a lama, é a lama
Um passo, uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato na luz da manhã

São as águas de março fechando o verão
É promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
Um resto de toco, um pouco sozinho
Um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
É peroba do campo, o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira

É madeira de vento, tombo da ribanceira
Mistério profundo, queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira

É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira
Uma ave no céu, uma ave no chão
Um regato, é uma fonte, um pedaço de pão

É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho
É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
Um pingo pingando, uma conta, um conto

Um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
A luz da manhã, o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada

O projeto da casa, o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
Um passo, uma ponte, um sapo, uma rã
Um resto de mato na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É promessa de vida no teu coração

Writer(s): Antonio Carlos Jobim

Don't want to see ads? Upgrade Now

Similar Tracks

Features

API Calls