Existe uma nova versão disponível da Last.fm, sendo assim, para manter tudo funcionando perfeitamente, recarregue o site.

Biografia

Yoko Ono nasceu em 1933. Sua mãe, Isoko Ono, foi da tradicional família de banqueiros Yasuda. Aos quatro anos de idade, Yoko foi mandada para a Tokyo's Peers School, uma das mais respeitadas escolas do Japão, conhecida por admitir apenas alunos descendentes de aristocratas ou da família imperial.
Após um rápido flerte com a cena pré-punk de New York, Yoko conheceu John Lennon em 1966, e casou-se com ele após um affair de dois anos (e que resultou no divórcio do Beatle com sua até então esposa, Cinthya Lennon).
Em 1970, Yoko lançou seu primeiro álbum solo entitulado "Yoko Ono/Plastic Ono Band".
Após uma vida cheia de especulações, acusações e psicodelia, Yoko é atualmente ativista em prol da paz e dos direitos humanos. Viaja o mundo expondo seus trabalhos como artista plástica e, mais recentemente, lançou o álbum "Yes, I'm a Witch" em 2007, que contou com a participação de várias bandas como Le Tigre, Peaches, Cat Power, The Polyphonic Spree, Antony & the Johnsons e The Flaming Lips, entre outras.

Carreira Musical:

A produção musical de Ono é muitas vezes extremamente experimental. Ao contrário das experiências de seu amigo John Cage, cujos questionamentos audaciosos dialogavam com a música erudita, a produção de Ono, apesar de sua educação formal em música, desconstruía e repensava a música popular, em especial o Rock And Roll. Yoko Ono é uma das precursoras do estilo rock experimental que viria surgir no fim dos anos 1970 e começo dos anos 1980 com a música industrial e pós-punk. Seus discos de 1972 e 1973 atualmente são reconhecidos como históricos (apesar da total falta de sucesso na época de seus lançamentos) na música feminista.

Esta provocação e desconstrução do rock, com a participação de Lennon, acabou por torna-la alvo de muitas críticas, especialmente de alguns fãs dos Beatles. Em uma famosa apresentação de John Lennon no festival musical Toronto Rock And Roll Revival Festival, Ono se uniu a banda a partir da segunda metade do show transformando o estilo rock and roll tradicional em uma das primeiras manifestações de música experimental dentro de um gênero popular, substituindo as palavras por ruídos gritados e utilizando a microfonia como parte da música. Atitude que fez as músicas apresentadas por Lennon e banda (Yer Blues, Dizzy Miss Lizzy, entre outras) adquirir um estranho e original brilho. Eric Clapton sempre apoiou o trabalho de Yoko, tendo declarado em entrevistas como admira sua originalidade e como gostou de gravar com ela. George Harrison já não pensava assim, e não aceitou que Ono participasse do Concerto para Bangladesh, o que levou John Lennon a declinar do convite de se apresentar, já que Yoko era parte fundamental da Plastic Ono Band.

O estilo confrontador e agressivo de Yoko foi lentamente dando lugar a um estilo mais próximo do pop-rock. No século XXI, Yoko transformou-se em diva da música eletrônica através dos remixes de canções antigas feitos pelos mais renomados DJ´s da cena eletrônica. Todos os singles atingiram os primeiros lugares das paradas de dance music, sendo que nada menos que nove, entre eles "Walking on thin ice" e "Everyman/everywoman" (que ela dedicou como apoio à causa gay), chegaram efetivamente ao número 1 das paradas de dance music.

Em fevereiro de 2007, aos 74 anos de idade, Yoko Ono lançou Yes, I´m a witch, disco no qual seus antigos trabalhos são recriados e reconstruídos por artistas como Peaches, Le Tigre, Flaming Lips, Craig Armstrong, Apples in Stereo, entre outros.

Em 2010 lançou o aclamado "Between the Sky and My Head", que angariou inúmeras críticas positivas e gerou uma série de shows nos quais Yoko dividiu o palco com artistas como Eric Clapton, Bette Middler, Lady Gaga, Iggy Pop e Ornette Coleman, entre outros luminares do rock, do jazz e do pop.

Editar esta wiki

API Calls