Carregando o player...

Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

We’re currently migrating data (including scrobbles) to our new site and to minimise data disruption, we’ve temporarily suspended some functionality. Rest assured, we’re re-activating features one-by-one as soon as each data migration completes. Keep an eye on progress here.

O ano de 1984 presenciou o nascer do Razor, um dos melhores grupos canadenses de thrash metal, uma banda cujos ideais não permitiriam concessões e cuja convicçcão levaria à oito lançamentos oficiais, e um número igual de anos na sua batalha pela ascenção.

Esta missão começou com quatro jovens de Guelph, Ontario: Dave Carlo na guitarra, Stace "Sheepdog" McLaren no vocal, Mike Campagnolo no baixo e Mike "M-Bro" Embro na bateria. Sua primeira demonstração de energia se manifestou através de "Armed And Dangerous", de 1984, um EP de sete faixas auto-financiado. Sua aclamação devido às 1200 cópias e às incontáveis trocas de fitas underground foi o suficiente para garantir um contrato com a Attic Records do Canadá, por onde o Razor também lançaria sua estréia full-lenght de 1985, "Executioner's Song", e mais tarde naquele ano, "Evil Invaders". Esses lançamentos se provaram bem sucedidos com fãs de música crua e agressiva, e isso garantiu à banda turnês junto a nomes como Slayer, Motörhead e Venom, tanto no Canadá quanto nos EUA. "Malicious Intent" apareceu no ano seguinte, e apesar das músicas soarem fortes, problemas da banda com o lançamento deste trabalho levaram ao término do contrato com a Attic, que concordou graciosamente.

Isto ajudou o Razor a explorar novas direções, e foi o que eles fizeram com "Custom Killing", de 1987, um álbum auto-financiado que continha o material mais experimental que eles já tinham escrito, contando com longos épicos, complexos em natureza, porém não memoráveis, e que renderam baixo sucesso comercial. A banda assim parecia ter se perdido de sua missão inicial, provocando a saída de Campagnolo e Embro, que foram substituídos por Adam Carlo (irmão do guitarrista) e Rob Mills, respectivamente, para a composição do muito mais popular "Violent Restitution", de 1988. Este provou ser o último esforço de McLaren no Razor, deixando lugar para a entrada de Bob Reid, que foi convencido por Carlo a deixar seu outro projeto, o SFH, em hiato. Com esta formação foi produzido "Shotgun Justice", de 1990, que levou a banda a fazer turnês menores com outros grupos canadenses como Sacrifice e Disciples Of Power, mas a tragédia atingiria a banda logo em seguida, deixando Mills incapaz de gravar o próximo álbum devido a um acidente. Carlo, inabalado, completou a composição de "Open Hostility", de 1991, usando sintetizadores que imitavam o estilo de Mills, mas a ignomínia pública à banda devido ao crescimento do grunge nesta época levou o Razor a se separar em 1992 após uma curta turnê.

Uma retrospectiva da carreira até então, o CD duplo "Exhumed", foi lançado dois anos depois, oferecendo tanto as músicas novas mais conhecidas como material antigo, mais obscuro. Agora consistindo de Carlo e dos membros do SFH (Reid nos vocais, Jon Armstrong no baixo e Rich Oosterbosch na bateria), o Razor gravou "Decibels", em 1997, lançado pela ansiosa Hypnotic Records, que estava pronta em devolver à banda todo o reconhecimento merecido. Alguns bootlegs ao vivo foram lançados entre 2001/2007, e os fãs estão aguardando o lançamento de um DVD e mais um álbum full-lenght.

(adaptado do site oficial, texto de Alain M. Gaudrault)

Atrações em destaque

API Calls