Carregando o player...

Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Esta página foi bloqueada por um moderador.

Victoria Louise Lott (12 de janeiro de 1991 - Kent, Inglaterra) mais conhecida por seu nome artístico "Pixie Lott", é uma cantora, compositora, atriz e dançarina. Com 15 anos, ela entrou para Island Def Jam Music Group by LA Reid e agora entrou para Mercury Records na Inglaterra e na Interscope nos Estados Unidos.

Obteve o primeiro lugar nos charts britânicos com os seus dois primeiros singles, Mama Do (Uh Oh, Uh Oh) e Boys And Girls ambos do seu álbum de estréia, Turn It Up, lançado em 14 de Setembro de 2009.

A melodia e sintonia estão sempre presentes e corretas, é claro, mas é a sua voz que encanta: é potente, rica e viciante com a maturidade da alma de uma diva combinada com a destreza de uma princesa pop adolescente – 19 anos, mas continua animada com a novidade de poder ir à boates sem a identidade da sua irmã mais velha.

Antes de chegar aos 50 anos – idade na qual ela oficialmente se indentificaria como ‘velha’ – Pixie Lott tem um punhado de modestas ambições na sua lista. Conhecer pessoas maravilhosas, é uma delas. Fazer performances em lugar maravilhosos? Essa é outra. Ela quer manter seus amigos atuais, mas também quer fazer outros novos, ela quer continuar escrevendo suas músicas, que inclusive mudaram a vida de algumas pessoas. E para finalizar, ela quer ‘cantar para sempre, sempre e sempre’.

Com um estilo que gira cabeças, com uma voz que levanta sobrancelhas, com a habilidade de dançar que deixa pessoas boquiabertas e com sua habilidade de escrever música que deixa pessoas tocadas, Pixie desde o ano passado vem cantando na Mercury Records e levando o seu melhor para todos que trabalharam com ela. Sua perspicácia, seus vocais maravilhosos e sua personalidade estranhamente atrativa estão presentes no seu primeiro single ‘Mama Do’, um conto típico de uma adolescente que sai escondida com garotos durante a noite, escrita pelos renomados escritores Phil Thornalley e Mads Hauge.

As músicas da Pixie assobiam com emoção e representam um ótimo trabalho de 18 meses em volta do mundo com o melhor do mundo pop. Junto com Thornalley e Hauge, Pixie já esteve no estúdio com Cutfather e Jonas Jeburg (que trabalharam com vários artista de Kylie Minogue a Pussycat Dolls), Red One (escritor de ‘Just Dance’ – Lady GaGa), Lilu e Beck colaboraram com Gref Kurstin. Trabalhou também com a escritora Ruth Ann Cunningham, Toby Gad (o produtor e escritor por trás dos sucessos ‘If I Were A Boy’ e ‘Big Girls Don’t Cry’) e Kara DioGuardi, escritora das superestrelas e nova jurada do American Idol

Pixie é uma cantora de 18 anos que canta durante toda sua vida. Ela é fresca, jovem, expressiva, divertida e tem atitudes livres com seus vocais. Se você acompanhar a vida animada e as vezes bem ‘demente’ da Pixie por seus vídeos diários no YouTube, você terá uma ideia de como os últimos anos foram tomados com sessões para escrever músicas, noites fora e festas, mas para ter uma ideia geral, temos que voltar e nos focar por um instante na jovem garota que cresceu em Kent e que se deu o apelido de Pixie bem nova (você só pode chamar ela pelo seu nome real se ela estiver levando uma bronca) e que frequentemente era sujeitada a ouvir as preferências da sua mãe: Diane Ross e Take That. Antes dela começar a escolher os suas cantoras favoritas – Mariah Carey foi sua paixão desde cedo – e na escola seus interesses em cantar e dançar a levaram pra uma audição para o Italia Conti. Ela ganhou uma bolsa escolar, o que a fez continuar perseguindo seu sonhos de cantar e dançar e abriu porta para diversas oportunidades, de aparições em Chitty Chitty Bang Bang a gravações com o Pink Floyd Roger Waters.

Quando ela tinha 14 anos, Pixie se encontrou lendo o The Stage e tropeçou em um classificado que ia movimentar tudo. As vezes é dificil olhar para esses anúncios e pensar que alguma coisa viria deles, por vezes é suspeito olhar para anúncios pedindo de jovens garotos e garotas, mas esse levou Pixie a Nova Iorque, para começar a escrever e gravar demos. A partir daquele momento, tudo começou como uma bola de neve.

No momento em que postaram mais e mais demos no myspace da Pixie ela foi chamada para assinar com a Mercury na Inglaterra e com a Interscope na América. Os resultados, agora, são músicas que e falam sobre corações saltando e corações partidos, sobre sonhos realizados e quebrados. ‘Turn It Up’ conta a história de um casal jovem que mesmo depois de terminarem continuam amigos, enquanto do outro lado da relação, no ponto aonde pertences estão sendo jogados na rua pela janela, nós encontramos a epopéia da Alicia Keys ‘Cry Me Out’. ” ‘Cry Me Out’
é uma música que fala ‘é hora de se restabelecer’ ”, fala Pixie. ”Você pode tocá-la ao lado da música do Justin ‘Cry Me A River’, dizendo pra alguém que você aceita a culpa, que ‘as lágrimas caídas não significam nada’.” ‘Gravity’, entretanto, é do estilo de ‘No Air’, fala de como é fácil se despedaçar e de como é dificil continuar à parte, e quão rapidamente somos levados à pessoas e jogados em direções opostas.

Como vários outros fãs de música, Pixie tem um carinho por outras estrelas. Ela admira o estilo de Gwen Stefani e Rihanna, por exemplo. Ela é fascinada pela habilidade em escrever músicas da Alicia Keys. Ela adoro o rock do The Strokes e The Kooks. No palco, ela adora os vocais da Mariah e as performances e danças da Britney. Fora dos palcos, ela admira muito o espírito independente de Lauryn Hill e o compromisso à qualidade de Christina Aguilera. Quando se fala de ‘Old School’, ela tem Whitney Houston e Evelyn Champagne King como favoritas. Representando os homens está Stevie Wonder, com seu catálogo de músicas ainda performadas e amadas pelo povo mesmo que tenham sido escritas a decadas atrás. Seria o suficiente para fazer a maioria de nós sentimos como se estivéssemos no topo de uma escada muito alta, mas Pixie está disposta a enfrentar o desafio e o resultado é uma artista cuja música é divertida mas não idiota. As músicas da Pixie tem uma substância genuína e alma. E no coração de tudo iso, Pixie fala: ‘Tem que ter uma força emocional e honesta nas minhas músicas, sendo elas escritas por mim ou não. Eu preciso sentir o que eu estou cantando’

Nós estamos no estranho momento no pop aonde o sucesso de um artista parece de algum jeito é medido por produtos autenticados, marcas de perfume ou aparições em Reality Shows na televisão. As ambições de Pixie Lott são garantidamente tradicionais. Ela saberá que ela conseguiu, ela fala ”quando eu vender CDs, quando eu olhar e ver uma multidão maciça”. Simplismente visam que não é concidência que a música dela também nos leva para um tempo mais descontraído no pop, aonde tudo o que se importava era grandes músicas, grandes ideias e cantoras brilhantes. ”Há um pequeno lugar para mim”, diz Pixie, educadamente cruza as mãos na mesa. ”Eu mal posso esperar para realmente chegar lá…”

Atrações em destaque

API Calls