Saltar para
vídeo do YouTube

Carregando o player...

Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Biografia

Quando Keith Emerson saiu do The Nice, Lee Jackson decidiu desligar seu baixo e começar a fazer músicas mais “simples”. Com isso em mente, ele se reuniu a alguns músicos que ele já conhecia por um tempo: Charlie Harcourt, Tommy Sloane e Mario Tapia. O resultado dessa união foi o primeiro disco do Jackson Heights, “King Progress”, no qual Jackson cantou e tocou violão. As faixas de destaque são “Mr. Screw” e uma versão de uma música antiga do Nice, “The Cry of Eugene”. O disco não vendeu muito. A banda começou a se desfazer e foi aí que o próximo recrutamento de Jackson começou.

Juntando-se a ele estavam John McBurnie e Brian Chatton, ambos multi-instrumentistas. Ele, no entanto, não recrutou um baterista. A banda era agora um trio com Jackson tocando baixo (parece familiar?). McBurnie ficou encarregado da maioria das letras com os três dividindo os vocais, e um segundo disco, “The Fifth Avenue Bus”, foi gravado com Mike Giles na bateria. Nesse ponto a banda fazia turnês como um trio, sem um baterista. Não há faixas extraordinárias nesse disco e novamente não houve sucesso comercial.

Então, a composição e gravação do álbum seguinte, com Brian Chatton agora contribuindo nas letras, começaram. O resultado, “Ragamuffins Fool”, foi facilmente seu melhor trabalho até aquele momento. Houve até mesmo um quase hit com “Maureen” e no geral, o disco soava como de uma banda que sabia o que estava fazendo. Novamente, a maior parte das linhas de bateria foi feita por Mike Giles. Eles fizeram turnê, novamente sem um baterista, e gravaram sua única “Radio One Session” de apoio para o disco. Estava ficando inevitável que ele não venderia.

Nesse momento, Lee Jackson estava ficando um pouco mais desiludido e pobre, ele estava usando seu próprio dinheiro para manter a banda. O plano da vez era gravar um “Concept Album”. O tema seria sobre as vidas das “garotas” que trabalhavam no teatro burlesco. Não saiu bem desse jeito, mas, tendo dois bateristas, Mike Giles e Ian Wallace, e uma orquestra de 20 instrumentos eles foram para o estúdio e gravaram “Bump ‘n’ Grind”. A máquina de publicidade começou a funcionar a todo vapor e o disco foi concebido com uma capa laminada metálica de luxo. Até a gravadora queria que esse fosse um grande lançamento! E adivinhe? O disco bombou.

Um grande problema em fazer shows desse disco era reproduzir os sons da orquestra. Jackson se aproximou de Patrick Moraz, mago dos teclados suíço, com a proposta de que ele se juntasse à banda. Moraz rejeitou a oferta mas pediu que Jackson considerasse formar uma banda com ele. Patrick tinha o acordo com a gravadora e outras finanças prontas. Devido a seu problemas financeiros, Jackson concordou e com Moraz e o ex-baterista do Nice, Brian “Blinkey” Davidson formou o Refugee.

Editar esta wiki

API Calls