Carregando o player...

Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

We’re currently migrating data (including scrobbles) to our new site and to minimise data disruption, we’ve temporarily suspended some functionality. Rest assured, we’re re-activating features one-by-one as soon as each data migration completes. Keep an eye on progress here.

Oriundos de Liverpool em 1980, começaram por denominar-se Hollycaust, estranho nome ou nem por isso, não fosse o vocalista chamar-se Holly Johnson. A mudança para Frankie Goes To Hollywood deu-se quando a banda retirou o nome de um cartaz promocional de um show de Frank Sinatra. Holly Johnson era o carismático front-man, secundado por Paul Rutherford (vocalista e teclados), Peter Gill (bateria e percurssão), Mark O`Toole (baixo) e Brian Nash (guitarra).

O percurso de Relax no top britânico foi inicialmente modesto (35º lugar), tendo apenas alcançado o Top 10 depois da estreia da banda no programa Top Of The Pops em Janeiro de 84. Mas o melhor estava ainda para vir quando a BBC censurou a música, considerando-a obscena pelo conteúdo sexualmente sugestivo. Foi a melhor publicidade que Relax podia ter tido, suportada por uma eficaz campanha promocional dirigida pelo jornalista musical Paul Morley, responsável pelas célebres T-shirts onde se podia ler “Frankie Says…“ e “Relax“. A polémica estava instalada e a sorte grande tinha saído aos Frankie Goes To Hollywood, com o single de estreia a atingir o Nº1 do top britânico a 28 de Janeiro de 1984.
Mas nem só de marketing viveu Relax. Era realmente uma grande música com um produtor à altura, o famosíssimo Trevor Horn (dos The Buggles, de Vídeo killed the radio star). A sonoridade era inovadora devido a uma nova abordagem da electrónica. Os próprios Duran Duran ficaram de tal forma surpreendidos com a electrónica da música, que chamaram-lhe “parede electrónica“, a fazer lembrar a “wall of sound“ de Spector. A sensação de se estar perante algo de novo e ao mesmo tempo polémico e provocante fez dos Frankie Goes To Hollywood um novo ícone, não apenas musical como também sexual e alvo da admiração da comunidade gay. De praticamente desconhecidos passaram a estrelas à escala mundial em poucos meses, protagonizando em 84 a vanguarda e o futuro do rock.

Para além de Relax, mais outros dois singles conseguiriam o feito de chegar a Nº1, Two tribes e The power of love. De uma assentada o álbum Welcome to the pleasuredome, que também chegou ao primeiro lugar da tabela de vendas britânica, tinha 3 singles em Nº1, mais um 2º lugar do single homónimo.

Com a fasquia elevada ao máximo, o já difícil segundo álbum para qualquer banda, seria ainda mais difícil para os Frankie Goes To Hollywood. Em 86 é editado Liverpool e os resultados ficam aquém das expectativas. O fracasso só não foi maior porque o álbum alcança o 5º lugar do top britânico e coloca o single Rage hard em Nº4. Mas perante o furacão que foi Welcome to Pleasuredome, Liverpool fica a saber a pouco. No início de 87 a banda dá início à tournée de promoção do segundo álbum, que termina poucos meses depois, colocando um ponto final no projecto. A audiência dos Frankie Goes To Hollywood parecia ter-se eclipsado e tanto Holly Johnson como Paul Rutherford seguiram carreiras a solo.

Atrações em destaque

API Calls