Carregando o player...

Descartar

As your browser speaks English, would you like to change your language to English? Or see other languages.

Denise Garrett nasceu em Memphis, Tennessee, cresceu no sul dos EUA (Texas) e teve uma infância muito musical. Desde muito pequena ouvia e acompanhava, cantando com a mãe, discos de divas do jazz como Ella Fitzgerald e Billie Holliday. Em sua casa sempre havia músicos amigos de seu pai, o trompetista e professor de música Mathew Garrett; nas férias escolares seu pai participava da orquestra da cantora Dinah Washington, o que só fez crescer o interesse da menina pela música e pelo canto.

Começou sua carreira profissional aos 16 anos, cantando em um trio de rock e rythm and blues, e aos 18 entra para a Universidade de Illinois, onde o diretor da Jazz Band da universidade impressiona-se com a garota e a convida para uma turnê com a Jazz Band, e fazem uma temporada de shows na então Uniao Soviética.

Em 1970 casa-se com o pianista Cecil Bridgewater que, pouco tempo após o casamento, é contratado por Horace Silver, o que leva o casal a se mudar para Nova Iorque. No ano seguinte entra para a orquestra de Thad Jones-Mel Lewis, onde permanece por quatro anos. Nessa mesma epoca é solicitada por gigantes do jazz como Dizzy Gillespie, Dexter Gordon, Pharoah Sanders, Sonny Rollins e Max Roach, entre outros. Em 1974 participa de seu primeiro musical, “The Wiz”, que lhe daria um prêmio Tony, cantando e atuando em Nova Iorque (na Broadway), Tóquio, Londres, Paris e Los Angeles. Gravou neste mesmo ano seu primeiro disco pela gravadora Atlantic, intitulado simplesmente Dee Dee Bridgewater. Quatro anos mais tarde, grava o disco Just Family, produzido por Stanley Clarke, ao lado de Chick Corea e George Duke (piano), Ray Gomez (guitarra), Eddie Gomez e Alphonso Johnson (baixo acústico e elétrico) e Airto Moreira na percussão.

Em 1984 participa de outro musical, Sophisticated Lady, que viaja para Paris atraindo a atenção do público francês para Dee Dee, que decide instalar-se na cidade onde vive até hoje. Três anos depois é indicada ao Grammy por seu album Live in Paris, e a faixa de seu disco Victims of Love que conta com a participaçao de Ray Charles atingiu as primeiras posições nas paradas de sucesso. Sucesso reforçado em seu álbum seguinte, gravado ao vivo em Montreux.

Seus três álbuns seguintes sedimentariam definitivamente seu sucesso. Seu disco de 1993 Keeping Traditions (mantendo as tradições) é, como diz o título, constituído basicamente de temas tradicionais do jazz, embora abordados com muita modernidade e imaginação. Dois anos mais tarde realiza seu sonho de gravar um disco cantando somente composiçõoes de Horace Silver, que compôs as letras exclusivamente para a cantora. Consegue com este disco sua segunda indicação ao Grammy.

E finalmente grava um tributo à primeira dama do jazz Ella Fitzgerald. O disco contém doze canções de épocas e formações diferentes. Acompanhada por orquestra, como no começo da carreira de Ella ao lado de Chick Webb, Duke Ellington e Basie; ou apenas pela guitarra de Kenny Burrell, como fazia Ella nos anos 70, ao lado de Joe Pass. A última faixa, composta por Burrell, dá nome ao disco, intitulado Dear Ella. Com sua inteligência habitual, Dee Dee conseguiu escapar dos perigos da imitação, fazendo uma releitura das músicas cantadas por Ella, ao mesmo tempo que deixa transparecer a influência da diva sobre seu trabalho.

Dee Dee Bridgewater mantém-se atualmente muito ativa, tendo já se apresentado no Brasil.

Atrações em destaque

API Calls