• Balanço do Ano Musical de 2011

    31 Dec 2011, 23:28 by alaxjo

    Chama a atenção que a tendência à nacionalização das minhas audições, tendência iniciada em 2010, ganhou muito mais força. Entre os 15 álbuns e as 15 músicas mais executadas não há nada da gringolândia. Também chama a atenção a expressiva presença nas listas de duas bandas que já conheço há muito tempo na lista, Wonkavision e Columbia. São das poucas coisas realmente pops a marcarem presença.


    Artistas
    Legião Urbana ⇔ 373
    Columbia ⇔ 333
    Sérgio Sampaio ⇔ 266
    Paulinho Da Viola ⇔ 254
    Nara Leão ⇔ 245
    Wado ⇔ 242
    Wonkavision ⇔ 206
    Roberta Sá ⇔ 189
    Cazuza ⇔ 168
    Explosions in the Sky ⇔ 157
    Tony & Frankye ⇔ 155
    Apanhador Só ⇔ 146
    Pato Fu ⇔ 143
    Air ⇔ 141
    ========================================

    Músicas mais tocadas
    Nove Horas ⇔ 37
    Desculpas ⇔ 34
    Onde vai ⇔ 24
    Coração Vagabundo ⇔ 20
    As Dores Do Mundo ⇔ 17
    Não ⇔ 17
    Antes que eu fuja ⇔ 17
    Estou Perdido No Meio Da Rua ⇔ 17
    A Farsa que eu fracasso em ser ⇔ 17
    Ana ⇔ 16
    Só Para o Seu Coração ⇔ 16
    O Ímpar Perfeito ⇔ 16
    Rebobinar ⇔ 16
  • Jampa days

    13 Oct 2008, 15:36 by removal

    Há quem diga que eu dormi de touca
    Que eu perdi a boca
    Que eu fugi da briga
    Que eu cai do galho e que não vi saída
    Que eu morri de medo quando o pau quebrou

    Há quem diga que eu não sei de nada
    Que eu não sou de nada e não peço desculpas
    Que eu não tenho culpa
    Mas que eu dei bobeira
    E que Durango Kid quase me pegou

    Eu por mim queria isso e aquilo
    Um quilo mais daquilo
    Um grilo menos nisso
    É disso que eu preciso
    Ou não é nada disso

    Sérgio Sampaio
  • Contra o Fetichismo do Compositor Intelectual

    11 Aug 2008, 09:47 by aneziofernandes

    O Compositor Popular, o Cantador, não é aquele que faz a música boa, em contraposição à música ruim que as massas consomem. Este é o trabalho do intelectual, e esta música é para a elite, nada popular.

    Quando me refiro a Elite, não quero falar de um grupo de pessoas melhores, de uma raça nobre, de uma camada superior a outra. Mesmo porque isso seria sinônimo de, na contraposição com o popular, fazer deste uma camada inferior. E o que eu quero é justamente negar que haja uma relação de nobreza e servidão, de musicalidade boa ou ruim, de superioridade e inferioridade, entre a elite e o popular. E para isso, começo afirmando: Popular e Elite raramente coexistem harmonicamente.

    A idéia de um compositor popular diz respeito a uma criação musical que não tenha origem na alma dos livros de teoria musical, ou na métrica e na rima rica, ou no avant-garde que teoriza belamente para romper com métricas e com rimas ricas. A submissão da qualidade musical à técnica, à intelectualidade…