Biography

“Entre o fim de uma noite e o nascer de um novo
dia surge uma revolução bem orquestrada.

No ano da viragem do século, por obra do
acaso. Miranda e Pablo confrontavam-se um
com o outro pela primeira vez. Os planetas
juntaram-se. Os universos expandiram-se.
Aqui nasce uma aventura humana e artística
que tem como matéria-prima a memória
colectiva de um país em transição.
Escolheram a margem Sul do Tejo para descansar das migrações e aí se fixaram.

Acolheram-na no coração e tornaram Lisboa
uma miragem alcançável. Para melhor
dar marcha ao movimento foi criada a associação
Piajio com a qual reabriram o antigo cinema de uma mítica Sociedade Filarmónica que se tornou o cinema paraíso desta aventura.

As marés em volta da boémia e da vadiagem
trouxeram à costa mais companheiros, Zeto
o Rapaz de Aço, Lima o Arquitecto, Donatelo
o Bom Vivant, e uma porta sempre aberta
para outros amores d’Strada. Enquanto
exploravam as entranhas de um Portugal
que não deve ter vergonha do que é foram
ao encontro de si mesmos e fizeram da rua
o mais ilustre palco, dando calo à musculatura
artística.

Criavam as condições onde não as havia. Actuavam tanto para a junta de freguesia como
para salas nacionais e europeias recheadas
de meios técnicos. A partir daqui estavam
prontos para pisar desde a praça da aldeia
ao mais brilhante palco do mundo.

As distâncias entre sonhos e realidades são
para eles caminho curto. Começaram então
os rumores sobre uma outra forma d’Star.
De boca em boca era anunciada uma nova
canção. O acústico tinha roupa nova, o punk
não tinha vergonha de ser romântico e o fado
afinal podia ser uma festa. Dos subúrbios
enevoados pelo desconhecimento surgiam
histórias de encantar.

Um culto ganhou forma. A aguardente convivia
com o champanhe e os caracóis com o
caviar. O projecto estendeu os braços e deu
colo a outros: divulgou vidas, artistas e promoveu
segredos tão bem guardados quanto ele. Abraçou o passado e deu-lhe vida e esperança
de futuro. Falar deles passa a ser falar também do Fadista Pugilista, da primeira mulher a usar calções e de mágicos sem idade, ou de uma Tasca viajante que serve de ribalta aos artistas sem palco.

A música ganhou um novo respirar. A tradição
um novo sopro. O resultado foi um cantar que tem raiz na vadiagem do fado e que tem o pulsar da batida das músicas que servem à dança.

Tasca Beat é um sonho do mundo contado à portuguesa. É a banda sonora de uma vida em contra mão que é um eterno baile em que a saudade é do futuro e o fado companheiro da alegria.”

in www.oquestrada.com

Edited by NunoGuronsan on 6 Nov 2009, 23:25

All user-contributed text on this page is available under the Creative Commons Attribution/Share-Alike License.
Text may also be available under the GNU Free Documentation License.

Factbox

Generated from facts marked up in the wiki.

No facts about this artist

You're viewing version 1. View older versions, or discuss this wiki.

You can also view a list of all recent wiki changes.

More Information

From other sources.

Other spellings