Biography

A carreira dos Mind da Gap é um caso raro de persistência e sucesso.

Desde o seu nascimento em 1993, ainda como Da Wreckas, a banda não parou nunca de crescer, sem nunca ter deixado de ser fiel aos seus princípios, evitando os caminhos mais fáceis e as mais vãs tentações.

Foi sempre o amor ao Hip Hop que os moveu, e o acreditar que havia espaço para a afirmação do género entre nós que determinou a forma decidida como estruturaram a sua carreira.

Em 1994, depois de terem recusado participar no “Rapublica”, gravam a sua primeira maquete como Mind da Gap e causam desde logo grande impacto no meio, chegando ao primeiro lugar do top de ouvintes do Rapto ( programa de radio de José Marinho e referência máxima do movimento em Portugal), onde permanecem durante inúmeras semanas, com “Piu Piu Piu”.

Assinam contrato com Nortesul e gravam o seu E.P. estreia que é editado no inicio de 95. O talento da banda é inegável, os seus instrumentais surpreendentes, e o estilo dos seus rappers único, mordaz e promissor na forma como aproveita o potencial fonético da nossa língua.

A sua estreia em álbum aconteceu em 97 com “Sem cerimónias” e foi sem dúvida um momento decisivo para o Hip Hop nacional.

O entusiasmo gerado pelo sucesso do “Rapublica” tinha dado lugar ao cepticismo e à desconfiança em relação ao género, depois de apostas que não passavam de aproveitamentos pouco sérios do entusiasmo inicial terem falhado e, numa altura em que o investimento editorial no Hip Hop nacional era praticamente nulo, os Mind da Gap oferecem-nos o seu primeiro grande exercício de qualidade e maturidade estética. Enquanto muitos desistiam o colectivo reforçava a sua vontade de impor o género entre nós e, com a cumplicidade da sua editora investiam como nunca ( a contratação do eng. Nova-iorquino Troy Hightower para misturar o disco é prova disso) na execução de um álbum que viria a ser o primeiro momento sério e definitivo do Hip Hop português.

Depois de “Sem Cerimónias” nunca mais o movimento seria o mesmo, e a fasquia era agora mais alta do que alguma vez se teria pensado anteriormente.

Em 2000 surge “A Verdade” e, mais uma vez os Mind da Gap crescem e inovam. Instrumentalmente Serial confirma-se em definitivo como um produtor genial capaz de surpreender constantemente, tendo em Ace e Presto os aliados perfeitos, conseguindo que o discurso da banda seja cada vez mais coeso, fluido e acima de tudo personalizado.

O Português parece agora uma língua desenhada para o género.

Chega 2002 e “Suspeitos do Costume”. A maturidade da banda é inquestionável, a sua segurança impressionante, a sua coesão impar. A fasquia volta a subir e este novo registo afirma-se como uma obra maior, o momento de maior génio do Hip Hop nacional. Um álbum que ultrapassa os limites naturais do movimento e que duma vez por todas coloca a banda como uma das referências fundamentais da mais jovem geração nacional.

A banda desdobra-se em concertos, corre o país de norte a sul, angaria cada vez mais militantes, consolida como nunca o género por todo o território nacional e prova duma vez por todas, apesar de inúmeras resistências, que existe espaço para o movimento no mercado discográfico português.

Edited by carlacarvalho on 12 Jan 2007, 16:15

Sources

http://mindagap.be/ladodto-historia.htm (Texto enviado por Carlos Vieira xinfrim@xinfrim.pt)

All user-contributed text on this page is available under the Creative Commons Attribution/Share-Alike License.
Text may also be available under the GNU Free Documentation License.

Factbox

Generated from facts marked up in the wiki.

No facts about this artist

You're viewing version 1. View older versions, or discuss this wiki.

You can also view a list of all recent wiki changes.

More Information

From other sources.

Links
Labels