Articles

RSS
  • E lá se vai um mês...

    26 May 2011, 13:12 by TheRefractory

    Sábado 9 Abr – U2 360° Tour
    Domingo 10 Abr – U2 360° Tour
    Quarta 13 Abr – U2 360° Tour

    Não importa onde você estava, se "colou na grade" do inner circle, se contribuiu comprando seu ingresso para a (RED) Zone, se estava nos locais mais baratos, se acampanhou ou chegou em cima da hora ou simplesmente se, depois de mais uma batalha, não conseguiu comprar seus ingressos para apresentação do U2 e acompanhou pela internet, meio frustrado com a distância. Você sentiu, você viveu, você compartilhou com tantos outros um sonho, uma espera, uma missão.



    Eis que se completa poucomais de um mês da primeira apresentação do U2 no Brasil e, apesar do bom tempo decorrido, ainda estamos todos inebriados com o que vivenciamos. Uma comunhão de 90 mil vozes, seguindo apenas uma que, acompanhada de outros 3 corações batendo em um só ritmo, nos guiaram através de sua espaçonave, a Garra, instalada no meio do gramado do Morumbi, nos levou a um furacão de emoções, como cada vez que ouvimos a nossa banda favorita, só que elevada a milésima potência! Como descrever a sensação de poder ver The Edge passando na ponte por cima de você, Adam desfilando seu sorriso a poucos metros, Bono andando mostrando que sim, ali é ele que manda no mundo e mais ninguém, Larry finalmente largando seu cantinho tão seguro lá no fundo e encarando toda multidão de peito aberto. Choro, sorrisos, tremores, as boas e más lembranças de tudo que fervilhava ali.



    Acusam a banda de apenas querer se beneficiar com o maior número de ingressos devido ao formato do show mas, ao vermos os olhos de cada integrante brilhar ao contemplar seu público, entendemos que nada do que falam faz o menor sentido, o que vale é o amor e a dedicação que os fazem, mesmo após mais de 30 anos, parecerem se preocupar com cada um que os prestigia. Como testemunho pessoal de quem já frequentou diversos shows nacionais e internacionais, digo que jamais presenciei nada tão organizado, equipe de orientação, segurança, trânsito, foram únicos, precisos, diferenciados. Para os que tiveram a honra – e a dedicação – de assistir o show de dentro do inner circle, não houve como não se sentir privilegiado, presenteado pela banda com uma espécie de agradecimento pelo seu esforço. Num espaço que marqueteiros e mercenários simplesmente enfiariam 4000 pessoas, havia apenas 2800, contando com uma visão que apenas poucos talvez tivessem tido do U2 até aquele momento. Era como ver a maior banda do mundo tocando em um dos pequenos clubes, estar de cara com eles a ponto de ver uma corda de guitarra estourando! Isso sem ter que desembolsar 1 centavo a mais, sem a separação de qualquer área VIP. Banheiros especialmente cuidados e espaço para circular foram inclusos no pacote.



    Acampamento, fila, calor = sacrifício?! Não, pelo contrário! Quem pode nos pagar a sensação ímpar que temos das histórias para contar com tudo o que passamos nas portas daquele lugar?! Só quem esteve ali sabe qual foi a sorte de pegar na mão do Bono ou The Edge, de ver seus ídolos acenado e provando a sua humanidade diante de todos, ou conviver com a frustração que nos motiva a nunca desistir por não termos conseguido. As risadas, os esportes olímpicos como salto sobre a grade, a convivência embaixo da chuva nas "suntuosas" barracas. Mas só quem fez isso conviveu com aquele frio na barriga de entrar correndo no estádio e contemplar boquiaberto o seu redor, de dar aquele grito de alívio ao chegar no lugar almejado, de cantar abraçado com seu namorado ou sua namorada a "música de vocês", de sorrir com os seus amigos e ganhar aquele abraço apertado no fim do show, significando que sim, no fim, tudo vale a pena.

    No momento em que as luzes se apagaram, simplesmente a vida de muitos que ali estavam pareceu fazer sentido e que tudo o que fazemos é tão pouco, em vista de tudo aquilo que eles nos trazem e merecem receber em troca.